“Não dá pra falar muito, não”

Essa noite sonhei que eu e o Lucas estávamos visitando aquela que seria nossa nova casa, recém construída, ainda vazia e cheirando a tinta. Era uma mansão enorme e incrível, com 8 pias no banheiro, pra cada um escolher qual quer usar em qual circunstância e, no quintal, uma espécie de parque de diversões com uns brinquedos muito malucos e divertidos! Mas o mais legal dessa casa era que quase toda a volta dela dava diretamente pro mar, como se ela fosse uma ilha. E de uma das varandas principais, esse mar dava pro Brasil! A gente chamava da janela e nossos amigos e familiares apareciam na praia do lado de lá pra dar um oi, ver a gracinha nova da Cecília ou até dar um mergulho e vir nadando nos visitar! Imagina que sonho?! ❤

Hoje faz 5 anos que nos mudamos do Brasil pela primeira vez. O que significa também que faz pouco mais de 1 ano que estamos morando aqui na Espanha.

Ao longo desses anos escrevi sempre sobre esse nosso aniversário, alguns post que eu gosto muito, aliás e  vocês podem ler aqui, aqui e aqui.
Mas já notaram que eu escrevi pouquíssimo sobre a vida na Espanha?

 A verdade é que eu, que me achava A ADAPTADA, expatriada de profissão (rs), não me adaptei completamente aqui.

Não consigo explicar racionalmente a saudade que sinto do Chile, porque não deve mesmo ser racional, afinal, aqui a qualidade de vida é melhor, é mais seguro, vivemos num bairro que parece de mentirinha de tão charmoso e todas aquelas vantagens famosas de se morar na Europa. Mas a verdade é que deixei um tantão do meu coração lá e esse tantão certamente faz falta pra que o aqui possa me conquistar de vez!

Como eu já disse, essa coisa de se saber tão longe ainda pega forte pra mim.

Sei lá, é psicológico mesmo..rs. Mas era muito mais fácil este longe do meu país e das minhas pessoas quando eles estavam mais perto e mais acessíveis.

Enfim, esse poço de emoções descontroladas que sou eu agora (hahaha) não tem um post emocionado sobre o aniversário de hoje. Acho que não me abri o suficiente pra aprender coisas com a vida na Espanha e vir aqui escrever sobre os aprendizados do último ano. 

O que sim fica claro pra mim é que não importa  quantos anos passem, cada um deles é contado, é sentido e é significativo quando se trata de mudança, de distância e de vida nova – adjetivo, aliás, que parece nunca perder o sentido e o frescor nas aventuras do lado de cá!

Anúncios

"Querido Diário" – 5s1d

Da “descoberta”:

“Hoje a gente confirmou o que eu já sabia. Mas assim, cientificamente comprovado, é muuuitooo melhor!!!

Sabendo que hoje faria os exames (de farmácia e de sangue) fui dormir pedindo duas coisinhas: que a segunda listrinha do teste de farmácia aparecesse rápido e com força (sem espaço pra dúvidas, como da última vez) e que o resultado do beta fosse bem altão…! Dormi super agitada…sonhei que fiz o teste e deu negativo, sonhei que menstruava, etc, etc, etc…


Mas o dia foi bem tranquilo e, felizmente, as duas coisas que pedi aconteceram!!!!

A segunda listra do palitinho já começou a aparecer fraquinha junto com a primeira, logo nos primeiros segundos, e quando deu o tempo certo estava lá, toda gritante, mais escura e mais grossa do que a de controle… parecia até foto da embalagem, maior orgulho do meu xixi!!! hahaha
No começo da noite pegamos o resultado do beta e, de novo, sucesso: 3.561!!! (não tem como não comparar com o da gestação anterior, que estava em 300 e pouco..)

Também agora a noite comecei a sentir um pouquinho de cólica…sei que é normal nas primeiras semanas, mas tb não consigo não ficar preocupada – questão de (má) experiência, né?!

fecho os olhos e repito: “é normal, não é nada, vai ficar tudo bem!!!” em ritmo de mantra…

Resolvemos aproveitar que em dois dias vamos pro Brasil pra dar a notícia (só pra família próxima) pessoalmente!!! (Lucas fica fazendo bulling pq minha mãe é a última que vai saber…hahaha)


Mandei o beta pro médico por email e estou esperando ele me dizer pra quando marco o ultrassom – que é com ele e já conta também como primeira consulta!”


(27/05 – 2ª – 5s1d)

"e cada vez mais cão"

Maní é minha filha há 1 ano, 4 meses e 2 dias. E até hoje (e, honestamente, acho que po muito tempo ainda será assim) eu paro qualquer coisa que estiver fazendo e abro um dos maiores e mais apaixonados sorrisos pra assistir ela sonhando!
Dormindo um sono profundo e gostoso ela começa primeiro a balançar as patinhas, depois a torcer o nariz e fazer caretas, até que chega no auge: os mini-latidos.

A Maní acordada é muda – não de verdade, ela é capaz de emitir sons, tipo latido, ela só não lembra disso nunca e está sempre mudinha pela casa, se expressando só com a cara, o corpo e o rabo (sim, ela é o cachorro que eu pedi aos deuses!)

Mas quando entra no sono REM (hahaha, não sei se isso existe pra cachorro), ela solta as cordas vocais!
Juro, é a coisa mais fofa do mundo essa cã dando os mini-latidos – mini porque são curtos e baixinho!!!!

Só que nunca consegui filmar, pois sempre que acontece, se eu me mexo ela acaba saindo das profundidades oníricas e o espetáculo acaba…

Mas um dia eu consigo! E aí venho correndo mostrar pra vocês!

"Desses que às vezes a gente sonha"

Preciso compartilhar meus sonhos das duas últimas noites!

Primeiro um pouco de contextualização:

Na terça feira da semana passada eu fui roubada pela terceira vez! Assim como da primeira, o ladrão era peruano, não chileno; mas diferente das outras vezes, dessa vez ele roubou mesmo o celular… No final, graças ao GPS do iPhone, conseguimos encontrar o ladrão e ele está preso (semana que vem vou de novo na delegacia pra depor). Infelizmente, ele tinha acabado de vender o aparelho dentro de um centrinho cheio de lojas ilegais de peruanos, daqueles lugares que policial não entra…

Na segunda feira o Lucas me contou que o irmão de um amigo quase foi roubado. Estouraram o vidro do carro dele (uma Santa Fé), mas foram pegos no ato e conseguiram fugir, mas não antes de ter o vidro do próprio carro quebrado também. Durante a fuga a polícia os parou pra perguntar sobre o vidro quebrado e, por sorte, nesse mesmo momento o dono da Santa Fé ligou na polícia pra fazer a denúncia da tentativa de roubo. Resultado: os caras foram presos e nosso amigo e seu irmão também estão nas burocracias de delegacias e depoimentos..

Bom, os sonhos:

Duas noites atrás eu sonhei que havia uma epidemia mundial de uma doença peruana muito séria e perigosa. Todos os países estavam super preocupados, mas tinham desenvolvido uma vacina pra tal doença. Só que eu estava com uma gripe muito forte e as autoridades não conseguiam decidir se podiam ou não me dar a vacina no meio de outra doença…

Essa noite sonhei que três crianças (de uns 8 anos) roubavam uma Santa Fé dourada, mas meus amigos já estavam esperando por isso, então conseguiam seguir o carro roubado e seus respectivos ladrões, inclusive se antecipando aos movimentos que os mesmos faziam.
Quando finalmente conseguimos capturá-los já estávamos em um lugar que era como o QG dos meninos, que acabaram nos confessando que o roubo, na verdade, tinha sido uma estratégia pra nos levar até esse lugar. Lá eles queriam que nós conversássemos com um doende de corpo e cabelo verdes e pouco mais de 20 cm. Esse doende estava fundando uma nova religião, da qual ele seria o deus, os meninos ladrões já estavam convertidos e tentavam fazer o mesmo conosco. Ficamos um bom tempo debatendo o assunto, sobre o roubo, a necessidade da nova religião, etc… 


Nos dois sonhos acordei antes que alguma decisão fosse tomada.


Bizzaros ou não?!?!

"Vamos lamber a língua"

Um dos piores pesadelos que tive na vida – se não o pior – foi quando sonhei que o Chico Buarque tinha morrido. Acordei chorando muito e com uma angústia tamanha que demorou a passar e que até hoje aperta meu peito quando penso no assunto.

Em 2007, no período em que ia a todos os “Baile do Baleiro”, ou seja, quase toda semana num show, eu sempre saía de lá com a alma lavada, com uma felicidade indescritível. Ia dormir leve e tinha sonhos super gostosos em que estava em uma roda de violão com toda a banda, super amiga do pessoal, batendo altos papos e cantando tudo que é música. Isso sempre resultava em manhãs deprimidas e depressivas, manhãs de voltar à realidade, lembrar que não sou amiga dessa turma e tão pouco sei cantar! rs

Li agora no blog Adorável Psicose o seguinte trecho:

“Lembro da professora de “Atualidades” falando sobre como o comércio era uma das provas de que não somos autosuficientes. Nós precisamos trocar para sobreviver.
E seguindo essa lógica, seria, de fato, impossível ser feliz sozinho. Tom Jobim devia concordar com a minha antiga professora de “Atualidades”. De repente eles até já se pegaram. Isso explicaria muita coisa do que ela dizia nas aulas.”

Fiquei pensando então na relação que desenvolvi com a música…

Eu costumo dizer que o Chico Buarque é o homem da minha vida e que o Zeca Baleiro é meu amante. (tenho, inclusive, sérias brigas com meu marido real sobre tietagemXciúmes)

É claro que essa brincadeira se refere puramente às composições de cada um deles. Admiro MUITO pessoas capazes de fazer músicas tão bonitas – até porque uma das maiores frustrações da vida é justamente a falta dessa capacidade em mim – mas o amor, antes de ser pela pessoa, é por aquilo que ela (me) diz com seu trabalho.

Mais do que a pessoa, o que apaixona e é capaz de tocar bem lá dentro (nas feridas más ou nas memórias boas, não importa), é essa magia que é a música em si.

Óbvio que a professora de “atualidades” não pegou o Tom Jobim, mas acho totalmente provável que as idéias que ela disseminava nas aulas como “verdades a serem racionalmente aprendidas pelos alunos” viessem da relação emotiva que ela própria tinha com as músicas e, consequentemente, com as idéias do Tom.

Acabei também de comentar com uma amiga: 
Não tenho absolutamente nada a ver com carnaval ou futebol, na verdade não gosto de nenhum dos dois; mas os anos de convivência com o Chico Buarque fazem com que seja impossível meu coração não ter uma quedinha pelo Fluminense e arrastar uma super asa para a Mangueira!

Porque no fundo é exatamente isso: eu posso nunca ter falado com o Chico na vida (apesar de ter tido a chance de agarrar o pé dele uma vez. rs), mas digo sem aspas nenhuma que tenho anos de convivência com o Chico Buarque.

E não me importa que na vida real ele seja chato ou arrogante, ou que o Baleiro use ou não drogas antes dos shows. 
Não importa que o Chico namore uma menina “boba” de 30 anos ou que o Baleiro seja casado com uma fotógrafa feia.
Não importa, porque não é através da vida real que me relaciono com eles. Não é com o eles de verdade e eu sei disso.
É com o papel que cada um assume em cima do palco ou com a idéia ou imagem ou sonoridade encantadora que eles cantam tão belamente.


Porque passa pelo racional, claro. É como disse uma vez: alguém que não entenda e/ou admire a língua portuguesa como eu, simplesmente não é capaz de entender totalmente minha paixão por Chico e Baleiro!

Mas também passa por….bom, como diz a Adriana Calcanhotto, de prato e garfo:




Pois é, acho que minha relação com a música se dá em algum outro plano. Em que sou só eu e a música de alguém.
É carnal, como o “de repente eles até já se pegaram”, mas é carnal no nível espiritual – se é que isso faz algum sentido…

Faz?