“Porque eu sei que é amor”

Outro dia, no metrô, uma senhorinha fofa me perguntou quanto tempo você tinha e diante da minha resposta (“4 meses ya!”) ela deu um sorriso carinhoso, acompanhado por um olhar ao mesmo tempo sonhador e saudosista e me disse: “vocês ainda tem a vida inteira pela frente!”

Você tá crescendo, filha!
E me dá um tremendo frio na barriga ver você se tornando essa mini-pessoa cada vez mais cheia de opiniões e vontades e dentes e conhecimentos e habilidades…

Me emociona e me dá um pouco de medo, confesso…

 

Penso em tudo o que você ainda tem pra viver, penso em tudo o que eu e seu pai temos pra te ensinar e fico com o coração apertado de ansiedade por tudo que virá, ao mesmo tempo que me afogo nessa vontade de poder colocar em um frasquinho cada emoção, cada nova sensação, cada momento em que sinto meu coração inflar mais um pouquinho pra continuar cabendo esse amor que não pára nunca de crescer!

************

 

Na última semana estivemos no Brasil. Fomos apresentar você pra toda a família e matar as saudades da ‘terrinha’!

Foi uma loucura absoluta! Uma correria de um lado pro outro. Um cansaço quase extremo – e nossos corpos não deixaram barato: seu pai voltou com a coluna travando, eu tive duas crises bravas de enxaqueca e você voltou com uma gripe que virou uma bronquioseilaoque

 

 

Acontece, filha, que entre as muitas coisas que eu gostaria de te ensinar, tenho muito o que dizer sobre o amor, sobre as loucuras que fazemos por ele, sobre como ele é importante e compensa quase tudo e sobre como ele precisa ser cuidado e cultivado.

 

E se nossos corpos sofreram um pouco com essa “viagem-loucura”, nossos corações, tenho certeza, voltaram mais felizes e ‘alimentados’!

Porque foi isso que fomos fazer no Brasil: regar você dessa água boa que é nossa família (as de sangue e as de coração), pra garantir que você possa florescer no melhor terreno, com o melhor cuidado; e, com o seu sorriso, fomos fortalecer as raízes que temos plantadas por lá!

 

Foram dias e dias dignos de irem pros frasquinhos! rs E te ver tão cercada de carinho e afeto me faz ter a certeza de que a “vida inteira” que temos pela frente vai ser sempre especial!

Cresce, filha! Cresce pra poder sentir (e lembrar) como tudo isso é gostoso de viver!!!
(mas sem pressa, por favor, que sua mãe não dá conta dessa velocidade toda, não! rs)

cecilia e familia

10405567_10202025503431326_8309871858276433660_n

mesa cecilia

ceci cbs

CC Brasil

CC e Passerinis

Ah! Espero que você seja melhor que seus pais na hora de lembrar de tirar fotos desses momentos especiais…faltou tanta foto, de tanta gente querida…
(Aliás, quem tiver foto aí e quiser me mandar, vou acrescentando no post!!)

Anúncios

"Querido Diário" – 32 semanas


Novo dia, nova semana, novo mês… merece post novo, né?! rs


De novo atrasei pra vir contar “as últimas” da gravidez e vai acabar tudo resumido nesse post longo… =( Vamos lá!

No dia 18/11 começamos o curso com a matrona! E o negócio é tão bom, mas tão bom, que várias vezes durante a primeira aula meu olho enchia de lágrima (já falei que virei chorona??? hahaha) de emoção por estar ouvindo aquilo! 
A Pascale (que é quem dá o curso e será minha matrona!!!) é tipo a personificação de TUDO que venho lendo, aprendendo e desejando pro meu parto!!! Juro!! É lindo!! rs
Saí de lá me sentindo tranquila e “encontrada”…foi um alívio sem tamanho encontrar aqui no Chile e, melhor, na minha equipe, essa mentalidade super humanizada que busco pro meu parto!!!
Fora que é bem divertido conhecer outros casais grávidos e tão diferentes.. uns super “ativistas” e outros que passam a aula com cara de pânico e quase choram quando ouvem falar de contração..rsrs

*********

A diabete tá super controladinha! Tanto que médico e nutricionista me liberaram um pouco: a nutri aumentou um pouco a quantidade de carboidratos no almoço e na janta e o médico mudou minhas medições de glicemia de 3 pra só 1 vez por dia! =)
Até agora todas as medições estiveram bem abaixo do permitido! Quer dizer, só tive uma um tiquinho acima do que devia, mas foi por um ótimo motivo.. já já eu conto!rs

**********

Os sintomas chatinhos estão começando a dar as caras… 
Agora tenho um tempo máximo que consigo ficar sentada (em cadeira, carro, etc..só meu sofá se salva!).. por exemplo, um almoço num restaurante – contando caminho até lá, tempo de escolher, pedir, comer, conta, etc já tá beirando meu limite do suportável..se a coisa estender pra um bate papo, já não consigo! Começa a doer minha bunda, depois minhas pernas, depois minhas costas… Aí vai me dando mau humor e preciso sair correndo antes que vire abóbora, sabe como?? rsrs
Essa semana estive MUITO cansada! Tudo que eu começava a fazer só aguentava tranquila por uns 5 minutos, aí já batia um quase desespero pra parar, sentar e descansar… tudo! Passeio com a Maní, pilates, janta, até banho…rs
Também essa semana comecei a ter azia no final do dia (antes do jantar) e a acordar com dor nas costas (acho que preciso rever minha posição de dormir…)

***********

Cecília tá “meio” apertadinha aqui dentro…sinto seus movimentos com muito mais força e intensidade agora!! E em momentos que não sentia antes, como quando estou fazendo caminhada…
Essa força toda às vezes incomoda, confesso, mas ainda não comecei a sentir os tais chutes doloridos na costela! Aliás, dizem as (más?) línguas que minha barriga tá super baixa e que a essa altura não deve subir mais, então é possível que eu nem venham a sentir tais dores… Veremos!

*************

Na semana passada recebi a visita mega especial dos meus pais!! Eles vieram passar 4 dias aqui com a gente só pra ver e paparicar a barriga! E foi exatamente o que a gente fez! Nada de turismo, quase nada de passeio… só ficar juntinho, conversar muito, matar a saudade, mimar muito a Gabi (hahaha)… Foi gostoso DEMAIS!!! Pena que passa tão rápido!
Ah! Ano passado eles vieram com a mala carregada de guloseimas pra mim, já esse ano vieram cheios de presentes pra Cecília (e uns pra mim tb…hehehe)

Abraço bom com jeito de colo!

Maní felizona com a chegada deles!
Caras inchadas de despedida!



Maní triste porque eles tavam indo…

*************


E no meio desses dias de visita o Lucas e uns amigos organizaram nosso Baby Shower!
TOTAL e ABSOLUTAMENTE SURPRESA!!!
Se o Lucas já é ótimo em me fazer surpresas normalmente, imagina com a cabeça lerda de grávida aqui?!?! hahaha
Foi muito legal, muito lindo e não desconfiei nem por um milisegundo de nada!!! Não preciso nem tentar descrever a emoção, né?!
(Quando estiver com as fotos faço um post só do chá, porque merece!!!)
Ah! Claro que foi no dia seguinte ao chá que minha glicemia saiu alteradinha, né?! Não seria justo me controlar e ficar sem brigadeiro, beijinho, coxinha, bolinha de queijo….rs Mas juro que não abusei! Só não passei vontade!

************

Sexta foi embora a cama de visitas que ainda habitava o já quarto da Cecília – e aí começamos os preparativos!!!

Adesivo de parede colocado!


Armário só com as coisas dela!!


Ficou tão lindo o adesivo que todo vez que passo pela porta do quarto paro um pouquinho e dou uma babada! Tô apaixonada!! hehehe

*********

E pra terminar, hoje completamos 32 semanas!

Foto de hoje


E agora tô oficialmente no período de “falta pouco, mas ainda falta taaaanto!!!” rsrsrs
32 semanas significam que ela pode nascer entre 6 e 10 semanas de agora! E, gente, 6 semanas é muito pouco, né, não?!? hahaha
Mas na verdade já combinei com ela: Cecília só pode nascer a partir das 39 semanas, porque antes disso meu médico e minha matrona (dos sonhos!) estarão de férias! Por isso, nada de pressa!! rs

Essa semana temos consulta com o médico, aí volto pra contar! 😉

Beijos em todos!!

"É sempre lindo andar na cidade de São Paulo"

4 dias e 4 noites.
Non stop (vide as olheiras nas fotos).

Comida, abraços, amores, amigos, beijos, carinho, sobrinhos, beijos babados, mais abraços, jogos, risadas, umas lagriminhas…
Coxinha, capuccino, milk shake, bomba de chocolate, arroz e peixe assado, arroz e feijão, medalhão ao molho madeira, pudim, bolo, yakissoba, mixirica, sequilhos, pão francês, toddy, pizza de frango com catupiry, pingo d’ouro, chocolícia, frango empanado, yakult……..

Foi assim, passagem the flash por São Paulo no fim de semana… não sobrou nem migalha – nem minha pelo cansaço, nem dessa comidaiada toda que eu ataquei bonito!!! hahaha

E oh, é cansativo à beça, é engordativo à beça, é até meio loucura… mas é bom demais!!!!

Claro que sempre falta, né?! Gente pra ver, abraços pra ganhar, alguma coisa pra comer (rs), fotos pra tirar…
Dessa vez foi tão mega blaster corrido que eu nem tentei marcar nada com ninguém, ficamos só com as famílias “nucleares” mesmo, sabem?!

(e mesmo assim, tive uma sorte imensa de trombar aos mesmo tempo com duas queridonas no shopping!!)

Eis que no meio do shopping…

Família sonolenta

Sobrinhos!!!
Queridos

Agora tô aqui, tentando recuperar a energia, colocar a casa em ordem, lavar tudo que é roupa (e cachorra) e me atualizar na blogosfera, que eu fiquei muito tempo longe…
E, principalmente, matando a saudade da minha pequena preguiçosa!


Não consegue nem abrir os olhos…


Devargazinho eu consigo isso tudo…rs

"Aqui (não) tem terremoto"

Chile: o país em que não existem mulheres com o cabelo oleoso, a unha quebradiça ou o fluxo menstrual suave.


Confesso: tem algumas coisas que faço questão de trazer do Brasil, tipo meu dorflex ou meu eno laranja (hipocondríaca é a mãe!rs), mas existem alguns itens que são (ou deveriam ser) muito básicos e que não encontro aqui de jeito nenhum!

Nunca estudei essa coisa de “mercado”, como o que faria determinados produtos serem aceitos em alguns lugares e em outros não, mas essa questão tem me instigado…

Algum gênio teve a brilhante idéia de, no começo desse ano, trazer (uns restos de) Panetone e Chocotone pra cá – a Bauduco já existe fraquinha então, de novo, era só uma questão de entrada de produtos específicos… Não sei o que os chilenos acharam da novidade e até gostaria de saber, mas o importante dessa história foi que eu me esbaldei!!! hahaha

E enquanto outro gênio chileno não descobrir que miojo cremoso é a melhor comida instantânea do mundo (se não a melhor comidaponto! hahaha), continuo contando com a querida Carol e seus Santos Pais que, pelo segundo ano consecutivo, me abastecem de temperinhos de Cremoso de Pizza!!!
(em 2011 esse prêmio foi pra Karencita!)

E sempre sobra pros nossos visitantes trazer uma encomendazinha na mala, tipo yakult, shampoo, esmalte, paçoca, ovomaltine….. ! =)
Mas juro que não é por isso que tô sempre convidando todo mundo! hahahaha

Aliás, já já acaba o carnaval e chega a hora de programar o 2013… você, leitor querido, já decidiu quando vem nos visitar???




Eso es…

Boa semana pra todos!


"Uma saideira, muita saudade"




Adoro receber visitas!




Mesmo que a casa fique meio de pernas pro ar (dado importante: pro meu semi-toc, uma colher fora do lugar é igual à casa de pernas pro ar..rs), mesmo que algumas demandem mais atenção, mesmo que a gente repita vários passeios turísticos, mesmo que eu sinta falta de ficar sozinha enquanto elas estão aqui..


Visitas são sempre muito bem vindas, melhoram o ambiente, dão mais vida à nossa casa!



Especialmente quando elas vem bem acompanhadas assim:


Hehehe




E por isso é sempre difícil quando elas vão embora…
(Não preciso nem dizer que no caso de algumas é ainda mais difícil, né?!)

Toda visita quando vai embora deixa saudades, deixa a casa mais vazia e o coração apertado.

E mais:
Deixam o cheiro do perfume no quarto, um pote de shampoo no banheiro, algum presente pra nossa casa, uma coleção de taças da Concha y Toro…

Algumas levam umas coisas embora “sem querer”: chave da casa, cartão do metrô….

Mas algumas (será que as que não querem ir embora??? rs) deixam umas coisas curiosas: roupas (limpas e sujas. íntimas ou não.rs) na gaveta, chinelo embaixo da cama, lavador de mamadeira na cozinha, a carteira inteira num bolso…rs




Essa última semana foi semana de família em casa!
Eles vieram, me mimaram, nós passeamos, nos curtimos, brigamos só um pouquinho (hehehe), comemos de monte, rimos pra caramba, nos aventuramos… aquela delícia que vocês podem imaginar!

Hoje eles foram embora e eu fiquei aqui chorandinho…
E parece que eles também não estavam muito querendo ir – deixar os sapatos e levar a chave é sintomático, vai?! hehehe

Cheguei a conclusão de que família é bom ter perto pra curtir em doses homeopáticas e quando quiser…que desse jeito, intensivão duas ou três vezes no ano, é muito arriscado….rs

Mas…. temos que lidar com as dores e as delícias que escolhemos pra nossa vida, né?! (desculpem, família, que não escolheram e tem que lidar com elas tb…rs)


É isso!

"Tenho por princípios nunca fechar portas"

Tivemos os últimos dez dias com visitas em casa; já estava com saudades da casa cheia!


Na segunda feira chegou a primeira visita, super inusitada! 
Minha prima, Luciana e seu namorado, Breno estavam de férias tiradas e tudo pronto pra ir pra NY, mas o furacão, ou quase furacão, que passou por lá no outro fim de semana atrapalhou tudo, estragou todos os planos deles, a companhia aérea não colaborou… Enfim, aquele estresse que ninguém merece passar!
Na irritação disso tudo e com toda a vontade de ir viajar na férias que só esses dois – pique invejável! – resolveram, literalmente um dia antes – vir passar uns dias aqui em Santiago conosco, até que os vôos pra NY estivessem normalizados!

Eu sou uma pessoa que gosta de rotina, planos, organização, mas não posso negar que algumas mudanças repentinas trazem resultados muito bons!
Eles vieram, ficaram 4 dias aqui com a gente, foram esquiar (a Lu adorou, o Breno odiou…rs), passearam por Santiago, conheceram e curtiram a Maní (e queriam levar ela embora com eles. hahaha), comeram bem e aproveitaram super esses dias que o furacão teria tirado das férias deles!
Esses sim são espertos!
Foi inesperado e rápido, mas super gostoso!!! Agora estão lá pras bandas de cima, curtindo a terra gringa!

E no sábado passado veio o Fernando que – olha que fofo – escolheu passar o aniversário dele aqui com a gente!!! Claaaaro que ele ganhou bolo e “cumpleaños feliz”, né?! hehehe




Só ficou faltando a velinha, mas o isqueiro deu conta!
(modéstia à parte, o bolo ficou delicioso! hehehe)

Esse é outro animado: foi esquiar com o Lucas no primeiro dia aqui, ficou todo quebrado, mas no dia seguinte resolveu fazer um tour caminhando: foram 20 estações de metrô a pé!!!
O mais engraçado era ele andando pela casa no final do dia, todo encurvado e reclamando de dor a cada movimento! hahahaha

Como eu costumo dizer, visita é bom, mas de gente querida é melhor ainda!!!

Fernando foi embora hoje e agora estamos esperando as próximas reservas… 

Quem é o próximo???   

Beijos




"Pense que eu cheguei de leve, machuquei você de leve e me retirei com pés de lã"

Acabam de sair daqui as últimas visitas da temporada (agora a próxima tá agendada só pra setembro). Foi mais de um mês com casa lotada todos os dias. Mais de um mês de gente dando atenção pra Maní quase o tempo todo. Mais de um mês de bons dias e boas noites multiplicados. De passeios turísticos – repetidos ou não – com pessoas diferentes. De mesa cheia e louça sendo usada até esgotar. De barulhos na minha casa que não sejam da construção ao lado. De coisas diferentes na geladeira e no armário. De dicas, instruções, troca de informações. De mais ou menos atenção que pude dar pros que estavam aqui – variando com as tarefas da faculdade e com meu bom (ou mau) humor. Mais de um mês da casa aquecida mais por calor humano que pela “calefação central por louça radiante”. 


Depois de passar uma semana no Brasil muitos me perguntaram se foi difícil voltar ou “ir embora de novo”. Não, não foi! A semana brazuca foi uma delícia, cheia de reencontros gostosos e gordos, mas foi também cansativa, correria pra todo lado, sem ter nossa casa pra voltar, nosso cantinho pra descansar. 
Foi uma delícia ir, mas foi bom também voltar. Foi bom e foi fácil! (não que eu não tenha chorado um pouquinho no aeroporto e nas despedidas…rs)


O que eu venho tendo cada vez mais certeza é que muito mais difícil do que voltar pra casa é deixar os que vêm visitar voltarem pras suas casas.
Por mais que a casa fique bagunçada, por mais que fiquemos sem “intimidade (como ter que colocar roupa e não pijama depois do banho, por exemplo), não importa, as visitas são muito boas! 
Não só porque enchem o ambiente, mas porque são todos muito importantes e queridos os que passam (passaram, passarão, passarinho) por aqui!
E fica sempre um gostinho de quero mais.


E a casa fica vazia e enorme. E as coisas param nos seus lugares. E as luzes param apagadas quando devem estar. E a Maní fica mais sozinha. E eu fico sempre chorando quando alguém sai.


É difícil me despedir. Difícil não é ficar, mas sim deixar-los ir.


Mas… quer saber?


Que venham os próximos!!!

"Agora eu era herói…"

Na semana passada veio me visitar minha prima e grande amiga de infância, Nathalia:





E dentro do pouco que conseguimos conversar estávamos comentando sobre a imagem que temos de nós mesmas ao longo dos anos… 
Aquela sensação quando olhamos pra um primo ou irmão mais novo e pensamos: “nossa, ele é tão criança, eu era tão mais adulta nessa idade; na verdade eu era quase o que eu sou hoje”.


Acho que nem sempre percebemos que crescemos, o quanto crescemos e o que mudou em nós. Talvez com um pouco de reflexão (e/ou análise. rs) isso fique mais claro, mas na maioria das pessoas com quem converso sobre isso, persiste essa sensação do “eu já era como sou”, sem se notar muito as “evoluções da idade”. rs


Mas sabe aquelas peças que a memória prega na gente? Como quando sentimos um cheiro e instantaneamente vamos parar em algum lugar longínquo, ou quando ouvimos uma música e nos sentimos ao lado de determinada pessoa?


Hoje essas duas coisas aconteceram comigo e, além delas, uma terceira ainda mais potente:
Meu pai e família estão de visita nessa semana e hoje subimos a montanha pra ir até Farellones pras crianças conhecerem a neve e brincarem um pouco de congelar. No final do dia, ainda lá em cima, encontrei um amigo que não via a muitos anos, da minha época de adolescência…
Na hora do encontro foi aquela coisa boa de “Nossa, quanto tempo! Tá fazendo o que aqui? O que já fez de bom no Chile? Fica até quando?Etc”, mas a onda de lembranças, sensações, sentimentos, até músicas e cheiros que esse encontro inusitado traria, viria só mais tarde…
E junto com tudo isso veio também pensamentos que eu nem sabia mais que poderia ter. Pensamentos que ao mesmo tempo que me habitam, não fazem mais parte de mim.


Meus 18 anos nem parecem tão longe assim (ok,ok…assumo que estou ficando velha…rs), tanto que posso reconhecer tais sensações como minhas, tanto que os sentimentos que vem com as lembranças apertam de leve o coração. Mas vem ao mesmo tempo a noção de que o que afeta é a lembrança, a nostalgia pelo que passou; não a emoção em si pois esta, claramente, ficou lá trás. 
E quer saber? É muito bom notar que a adolescente também ficou pra trás. Que apesar de às vezes eu achar que sou a mesma pessoa que era quando entrei pela primeira vez na faculdade (meo deos! meu irmãozinho é tão jovem pra Federal! rs), sou (não “estou”, “sou” mesmo!) na verdade completamente diferente, muito mais forte e resistente e crescida e gordinha e madura e chata (tá vai, isso eu sempre fui) e bonita por dentro e por fora (porque não custa nada agradar o ego! hahaha)


E nessas horas agradeço por ter os cabelos brancos na cabeça e os calos no coração! 
“Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”, sim, mas cada dor e cada delícia no seu tempo certo!
Ainda bem!!!

Senevasseaquicêusavaski?

Imagino que quase todo mundo saiba que eu sou mega descoordenada. Muitos já me viraram levar (ou quase levar) milhares de tombos por aí. As manchas roxas das caídas, topadas e enroscos não são difíceis de encontrar em diversas partes do meu corpo. O que talvez nem todos saibam é que eu não sei andar de bicicleta.
Pois bem, processem todas essas informações antes de seguir lendo…


Pronto? Então vamos…


Neste mês de julho o Hotel MaLuGa está praticamente com lotação máxima, não tem quase nenhum dia sem visitas por aqui. 
No sábado o Lucas foi pra Argentina, passar uma semana tendo cursos pra virar um futuro diretivo do banco (rs), mas fiquei muito bem acompanhada pelo irmãozinho Guto, seu amigo João, a primoca Nathalia e o parceirão Lucas (chamarei de Lucão pra não confundir…rs). 
Aproveitando a reunião gostosa, ontem fomos esquiar!


O Lucão e o João já tinham esquiado antes, então tinham alguma experiência na arte. Além disso, o Guto e o João foram na quinta feira pro Colorado e estavam bastante treinados.
Eu e a Nathalia que nunca tínhamos esquiado na vida fizemos a aula “para principiantes” (acompanhadas pelo Lucão) e ela, apesar de ter apanhado um pouco no começo, foi insistente e ousada e acabou se saindo super bem nas montanhas branquinhas!


Já eu….bom, eu comecei a me machucar quando chegamos ao Colorado e descemos da van: derrubei a bota do esqui no meu pé e doeu pra caramba! Um pouquinho depois tropecei feio em uma escada (não, ainda não tinha calçado a tal bota). 
Quando fui subir outra escada, agora carregando o esquipamento (botas super pesadas, esqui e bastões) precisei da ajuda de duas pessoas, porque enroscava os bastões nos degraus, quando ia soltá-los derrubava os esquis e quando abaixava pra pegá-los enroscava tudo na minha calça, e assim sucessivamente.


Depois veio a novela dos quinze minutos pra conseguir calçar cada bota (mas essa dificuldade é normal em todos os principiantes…rs), a caminhada patética com as botas nos pés e enfim, o começo da aula.

Fiquei à vontade quando vi que todo mundo ali tava tão atrapalhado quanto eu e fiquei aliviada quando não fui a primeira a cair parada – apesar dos diversos desequilibrios que já tinham acontecido!
Por algum motivo eu virei a primeira da fila e tinha que fazer tudo que o professor mandava antes de todos os outros, com todo mundo olhando. Vergonha pouca!
Eu não estava me saindo bem, mas não estava me saindo mal também.
Até o profesor mandar a gente se jogar no chão pra aprender a levantar de um tombo… Sério, é humanamente impossível levantar do chão com aquela bota e os esquis! Impossível! Pelo menos pra mim…
Foi ridículo! O professor vinha colocar minha mão onde tinha que ficar pra eu levantar, e a minha mão não fica de jeito nenhum no lugar certo. Meu pé ficava tentando fazer uma dobra numa luta brava com a bota e eu simplesmente não levantava!
Depois o professor ensinou um outro jeito alternativo e assim, depois de mais um pouco de ridículo eu saí do chão…


Aí chegou a hora aprender a fazer curvas. Pra esquerda, ok! Pra direita…nããããooo! (detalhe: quando eu estava quase aprendendo a andar de bicicletas, as curvas eram minhas maiores inimigas!)


Enfim, a aula durou quase 1h30. 1h30 de MUITO calor – quem inventou que tem que se encher de roupa pra fazer aquilo? Calor absurdo!
Esforço absurdo, cansaço absurdo, dor nas pernas e no pé, não me agüentava mais em pé, literalmente chegou uma hora em que me apoiava nos bastões e soltava todo meu peso neles, porque minhas pernas já tinham pedido água há muito tempo!


Bom, depois da aula fomos almoçar e depois de todos descansarem um pouco, foram subir as montanhas e descer nos esquis. Todos menos eu!
Eu estava podre. Cansada. Acho que o esforço da torta aqui foi mais do que a fraca aqui agüentava por um dia…rs
E, confesso, o fato de poder voltar lá pra cima depois, especialmente na companhia do maridão, autorizou minha preguiça a se manifestar…
Preferi passar o resto da tarde tirando fotos, brincando com a neve (ah, a neve!!!) e descansando meus pésinhos!


Chegando em casa fomos descobrir os estragos: tenho manchas roxas que não faço idéia de como, quando ou onde fiz. Meu tornozelo continua inchado, quase 24h depois! Quase todos os músculos ainda doem. 


Acho que no final eu não cheguei na parte do esqui que é divertida, porque enquanto os outros estavam super curtindo o momento eu ficava me perguntando: “quem foi que teve essa idéia, mesmo???”


Mas isso não quer dizer que eu desisti de vez! Em não muito tempo pretendo subir de novo, e espero desenvolver uma relação mais amigável com o novo “esporte”. Não que eu costume me dar bem com esportes…mas se você está na neve, é pra se molhar, não é!?!


Agora algumas fotinhos pra ilustrar:





Beijos gelados a todos!

E você, quando vem?

Lhes apresento o Hotel MaLuGa, lugar de ser feliz em Santiago!


Aqui você pode ficar tranquilo e só desfrutar tudo que essa cidade incrível tem de bom!





Oferecemos aos nossos hóspedes confortáveis acomodações em quartos dobles com camas de solteiro ou casal. 



Contamos ainda com um Kit-Turista montado com todo carinho para melhorar a estadia de nossos visitantes e incrementado pelos queridos que já passaram por aqui!
Nele constam:


– Guias de tours e passeios pra fazer na cidade e nos arredores dela.





– Celular pré-pago local pra facilitar a comunicação com o que (ou quem) quer que seja por aqui

– Chave da casa com chaveiro típico da Ilha de Páscoa – Presente do Celso Bal


– Porta moedas (presente da Marina Malta) pra facilitar a vida de todos com os pesos trocados



– Cartões Bip da Transantiago pra aproveitar o ótimo transporte público


– Caderneta de anotações onde os hóspedes podem contar sobre sua estadia e deixar dicas e opiniões para os próximos que vierem (presente da Marina)



Outro diferencial de nosso hotel é o Rock Band, pra entreter e divertir as reuniões de amigos na recepção.







De fundamental importância para o sucesso de nosso trabalho é a Maní, uma cachorra de companhia que estará sempre disposta a te dar carinho e ajudar com a saudade de casa!



Isso sem falar nos anfitriões mais bacanas do planeta!





Agora….você que está aí no computador…o que falta pra programar sua vinda a Santiago???


Nós estamos te esperando!!!


Vem!!!!!!


(favor agendar as datas de estadia por email)