“Na tua presença” – 4 meses

Hoje o registro vai ficar só na foto, porque a presença especialíssima da Cecília está sendo curtida – e comemorada! – em terras Tupiniquins!!!

(depois volto pra contar mais!)

20140524-143957-52797166.jpg

Parabéns, filhota!!!

“Todos Juntos, somos fortes”

Acabo de ter aprovada minha entrada no grupo “Meu filho é alérgico a leite” (MFAL), um grupo no facebook muito bem recomendado.
Depois de toda a informação sobre gravidez e amamentação que consegui graças a grupos assim (“Cesárea? Não, obrigada!” e “Grupo Virtual de Amamentação”, respectivamente), acho que vai ser bom estar nesse novo!

 

Quando entramos no grupo as moderadoras pedem que contemos nossa história com relação a alergia, por isso fiz um resumo que aproveito pra compartilhar aqui e dividir a tal história chata, conforme havia prometido!


“Cecília nasceu aqui, em 24/01/14, de parto natural, com 3290kg e 51,5 cm, desde então amamentada LME (Leite Materno Exclusivo) em LD (Livre Demanda). 
Sempre foi muito tranquila, o que nos fez estranhar quando começou a chorar durante as mamadas. Com pouco mais de um mês esse choro passou a atrapalhar a alimentação: ela mamava menos de 2 minutos e começava a chorar muito, arqueando o corpo pra trás e não conseguia mamar mais, apesar de claramente continuar com fome; além disso tinha muito soluço, hálito ácido e estava sempre “mastigando” – assim, na consulta dos 2 meses, fechamos o diagnóstico de Refluxo Oculto e começamos o tratamento (homeopático, com Aspiridium) e medidas posturais indicadas no GVA (Grupo Virtual de Amamentação).
Nas semanas que se seguiram outros sintomas foram surgindo: primeiro um grosseirão no rosto (dermatite), depois crises de choro na hora de fazer cocô (ela quase não teve cólica quando recém nascida).

IMG_4775

Felizona na sala de exame!

 

Nesse ponto começamos a suspeitar de alergia, a pediatra pediu um ultra-som de abdómen pra garantir que estava tudo bem (e estava!) e pediu que eu fizesse um exame chamado Biorresonância (www.biokine.cl) pra procurar em mim alguma alergia ou intolerância que pudesse estar afetando a bebê.
Além de eu nunca ter lido nada sobre essa associação (intolerância na mãe = alergia no bebê) o exame foi super esquisito, achei pouco confiável e o resultado meio suspeito…dizia que eu tenho intolerância a uma lista enorme de alimentos…), mas antes desse resultado, através de informações do GVA, eu havia decidido cortar da minha dieta o leite e seus derivados.


Nos primeiros dias vi alguma melhora na Cecília, principalmente na pele, mas logo ela voltou a piorar muito – as crises de dores aumentaram em frequência e intensidade, a dermatite se espalhou pelo corpo, o cocô passou a ser bem líquido e com muco (apesar de não aumentar muito a frequência), vazava sempre, 2 vezes encontramos pequenos risquinhos de sangue no cocô dela e o refluxo sempre presente e incomodando bastante…
Então percebi que em tudo que eu estava comendo havia soja (ou traços de soja) e mudei minha dieta toda de novo. Aí sim notei uma boa melhora nela: pele, refluxo (não totalmente)…o cocô continuou com muito muco mas está aos pouco deixando de ser tão líquido…
Após essa melhora voltei a consumir leite e queijo por dois dias, pra testar se a alergia seria só à soja ou ao leite também e o que aconteceu foi que aproximadamente 4 horas depois de eu consumir esses produtos ela tinha crises bem fortes de dor (cólica? refluxo? os dois, imagino..), então voltei à dieta do leite também.

Assim estamos agora: Cecília completa 4 meses essa semana, segue em LME em LD, eu sigo em dieta (de leite e soja há aproximadamente 1 mês). Mesmo com os sintomas, ela sempre cresceu muito bem (percentil 94% de altura) e apesar de estar com o peso na média, percebemos que sua curva vinha caindo…
Os sintomas estão bem melhores, mas temos dias bons e dias ruins – na semana passada o refluxo voltou com tudo e continua por aqui…

Me angustia ficar achando sempre que tudo que ela tem possa ser resultado da alergia… Esse fim de semana começaram a sair os dentinhos dela e ela fez uma “greve de peito”… até eu entender que eram os dentes, fiquei dias me culpando e tentando entender o que eu havia comido que a deixara dessa forma… 😦

Além disso me sinto muito pouco amparada pela pediatra, apesar de gostar dela em assuntos gerais, se não fossem as informações de grupos como GVA (e agora o MFAL!) sobre a alergia, acho que estaríamos longe de alguma melhora!”

É ótimo sentir que não estamos sozinhas nas dificuldades e conquistas! E mesmo com apoio de família e amigos “da vida real”, é  melhor se podemos dividir a experiência e aprender com outras mães que estão passando (ou já passaram) por situações semelhantes! Pude provar isso na busca pelo parto sonhado e nos esforços pra estabelecer e manter uma amamentação de sucesso, então tenho certeza que nesse novo desafio que está sendo a alergia não será diferente!

Que bom que o facebook não serve só pra banalidades, não é?! E que bom que tem gente tão boa (de informação e de coração) disposta a ajudar assim!!!

=)

 

“Inverno”

Aqui em casa os cobertores extras já saíram do armário, os casacos pesados, malhas, luvas e etc já saíram da bodega, o tapete está estendido no chão da sala, Maní anda dormindo enroladinha na cama e já não esticadona no chão e a Cecília vive empacotada mesmo dentro de casa.

 

Sabe o que isso quer dizer?

Que o frio já chegou!

E sabe o que isso quer dizer?

Que já começou uma nova Campanha do Agasalho do Adote um Gatinho!!!!

 

Imagem

É aquela história de sempre: pontos de arrecadação espalhados por São Paulo e Grande Sp esperando que você leve sua contribuição – pode ser cobertor, caminha, roupa, paninho…qualquer coisa que sirva pra deixar um peludo carente mais quentinho nesse inverno que promete ser terrível!

E no final a gente sempre sai ganhando também, afinal, fica com o coração quentinho, oh:

Imagem

Imagem

 

“Saber Amar”

Ser mãe é descobrir como reais e ir sentindo na pele uma lista enorme de clichês – esse, aliás, é o primeiro deles, o clichê primordial! Hahaha

Um dos mais clássicos dessa lista é a história de que só depois de ser mãe é que você entende verdadeiramente a sua própria mãe.
É só depois de sentir esse amor profundo, doído e arrebatador que você entende todos os mil beijos e abraços que sua mãe te deu ou quis te dar, toda a pentelhação em forma de preocupação, todas as lágrimas que ela ja derrubou por você…

Dizem que nós aprendemos a ser filhas depois que nos tornamos mães. E como muitos outros clichês da lista, já descobri que esse é verdade também!

Mas o que eu andei percebendo é que nós aprendemos a ser mães, sendo filhas.

Só posso ser a mãe que sou, pela mãe que tive.

Foi com ela, minha mãe, que aprendi a amar e ser amada. Foi com ela que  aprendi o que é cuidado, o que é dedicação. Foi com ela que aprendi o que é respeito – ao outro e a nós mesmas. Foi com ela que aprendi o que é amizade, o que é sonho, o que é desejo.

Foi sem ela que aprendi o que é saudades.

É pra ela que eu corro imediatamente quando tô triste, quando tô doente, quando tô preocupada…e quando tô feliz, quando tenho o que comemorar, quando tô emocionada.

Ela é minha melhor amiga, mas também é mãe brava quando precisa ser (minha adolescência que o diga..rs).

Com ela aprendi que temos que tentar ser o melhor de nós mesmas e não uma versão perfeita que almejamos. Aprendi a rir das imperfeições e a tentar consertar as que forem possíveis.

Com ela (e com a minha analista! Hahaha) aprendi que erros não são fatais, que eles podem nos ensinar muito e que desculpas podem – e devem – ser sinceras de ambos os lados.

E aprendi que tudo isso aí em cima fica mais fácil quando não se vive sozinha.

 

Quando a Cecília nasceu minha mãe veio ficar com a gente pra ajudar no “novo desafio”.

E o que ela mais me ensinou nesse período foi que pra cuidar é preciso deixar-se ser cuidada. Pra amar é preciso deixar-se ser amada!

Sei que ainda estamos no “modo easy” com a filhota, mas acho que se estou me saindo muito bem até agora, é porque tive um exemplo incrível – pro bem ou pro mal! rs
Pode parecer só mais um clichê, mas nossa relação é muito especial, sim…

E nesse meu primeiro Dias das Mães, deixo minha birra com as datas comercias de lado, olho pra MINHA FILHA (ainda é emocionante usar essas palavras!) dormindo no meu colo e me emociono – de saudades da minha mãe e de desejo de que eu possa ser pra essa pica-pau linda tudo que minha mãe é pra mim!

Nesse 2014 é com o coração muito mais repleto que desejo a todas as mães (as de humanos e a de peludos, mesmo as futuras ou “potenciais” rs) um Feliz Dia das Mães!!!

 

Imagem

Meu primeiro almoço de Dia das Mães “do lado de cá”

Imagem

Montagem linda feita pelo Lalo

"Vai passar"

Hoje eu queimei dois dedos com água fervendo!! Depois do susto, da dor, de água fria e de pomada, ficou tudo bem!

Hoje a Maní derrubou um copo de 900ml cheio de água em cima do meu tapete, do meu computador e do meu celular. Depois do susto, de uma correria e de duas toalhas, ficou tudo bem!
Hoje eu confirmei que a Cecília tem alergia à proteína do leite de vaca (a tal da APLV).
Ainda tô no susto, na frustração, na chateação… mas sei que vai ficar tudo bem…

Repito pra mim e pra ela: vai passar!
(depois volto pra contar mais dessa história chata…)

"Fantasmas no meu quarto"

Frustrada.
É assim que me sinto.
Ver minha filha se contorcendo e gritando de dor.
Saber que a dor vem do meu leite; mas saber também que esse leite é o que há de melhor pra ela.
Duvidar
Não saber
Ter certeza
Fazer dieta. Passar vontade. Passar fome. Ficar irritada com o mundo inteiro.
Ver melhora e sentir um suspiro de esperança. Pra depois ver piora e se afogar de novo no choro doído dela.
Frustrada.
O “não saber” é o que me mata. Talvez especialmente porque ele me deixa com o “nada pra fazer”.
E esperar, nesse caso, tem sido sinônimo de se frustrar.
E dá medo sair contando desse sentimento pras pessoas. Dá medo que elas me venham com o diabinho da mamadeira no ombro.
Não é disso que preciso agora! A vontade de desistir já tá batendo na minha porta – cedo demais – não preciso alimentá-la.
Preciso que me digam pra ser forte, pra insistir, que vale a pena, que é o melhor.
Preciso que me digam que vai passar LOGO. 
Preciso que me expliquem o está acontecendo.
Preciso que ela melhore.
Ou que ela nem tenha nada disso.
Preciso ir dormir agora. Esperando um dia melhor amanhã…
(Cecília ta com alguma alergia alimentar….)