Merda

Este é, sem dúvida, o post mais difícil que já escrevi – não só no blog, mas talvez na vida. O frio na barriga de clicar no “postar” acho que vai ser quase uma gastrite, mas publicar este texto é justamente o que dá sentido à ele, e como sentido é justamente o que venho buscando, vamos lá!


Recebi alguns elogios com relação à minha sinceridade aqui no blog, com quem lê e comigo mesma, mas a verdade é que a grande coisa que não sai da minha cabeça nas últimas semanas só foi muito levemente comentada… Mas sei lá, acho que resolvi que “chega de esconder minhas fraquezas”, chega de covardia… Até porque estou farta da minha covardia, então vamos começar a luta contra ela por aqui, contando pra todo mundo que quiser ler o grande caos que sou!
Já tô avisando de antemão pra que possam desistir já da leitura se o objetivo da sua presença neste blog é saber sobre o Chile, sobre vida no exterior, ou qualquer outra coisa. Porque este post vai ser pessoal! Muito pessoal. Talvez até melodramático. Mas ele vai sair!


Há anos e anos venho tentando descobrir o que eu quero “ser quando crescer”, procurando ter na vida profissional a mesma tranquilidade que tenho na vida pessoal. Encontrei o Lucas e casei com ele na certeza de quero estar ao lado dele e tê-lo comigo todos os dias da minha vida, pra sempre! 
Mas não consigo encontrar uma profissão que eu deseje, um sonho pelo qual valha a pena as dificuldades do dia a dia. Não era a T.O., não é o AV (isso mesmo, não é o AV – primeira confissão do post)…e é o que então??? 
Levar a faculdade na USP estava cômodo, porque, diferente da TO, estar ou não satisfeita com a profissão afetava só à mim (e não há possíveis pacientes) e continuar fazendo só pra me formar, ter uma profissão e trabalho e depois ir atrás do tal segredo mágico era bastante possível.
Mas aí, chegando na faculdade nova, tendo que encarar mais dois anos (ah! talvez 3, veja só…) de muitas aulas – muito mais crédito do que faria antes – muito trabalho, provas, professores mais chatos e mais exigentes do que os que eu tinha e gostava… bom, digamos que isso acabou cutucando minha ferida que tava quietinha… Cutucando não, tirando toda a casquinha e deixando sangrando pra caramba!
Ir para aquelas aulas com os simples objetivos de “me socializar no Chile”(fail, btw) e tirar o diploma (que agora corre o risco de ser fail tb) tá difícil… quase torturante, na verdade! (já que estamos na verdade…) Estudar cinema aqui tem me exigido uma energia que não tenho de onde tirar e a crise tá braba (avisei que seria melodrama).
Saio e chego em casa super de mau humor, choro e só me recupero depois de algum tempinho podendo esquecer essas coisas e curtindo a “vida pessoal”. Sinceramente, acho que nem o Lucas, nem a Maní, nem a faxineira e nem eu merecemos essa Gabi em casa 6 dias por semana!


Mas o problema maior da crise é – de volta a 2006 – não saber o que fazer no lugar disso…ou o que fazer pra amenizar isso – visto que preciso, de um jeito ou de outro, de um diploma logo!
Fico me sentindo presa num buraco sem saída, no qual eu sei que não quero seguir em frente, mas em que não consigo encontrar uma saída alternativa.
Me falta energia pro AV porque não é aquilo que eu amo fazer. Mas afinal, o que eu amo fazer???
Pensei em alguma coisa com os animais (desde aqui) , mas também não era exatamente uma resposta…




Mas. sabe, a verdade é que lá trás, eu não parecia sofrer desse problema:






Esse vídeo é da gravação da primeira peça que fiz no Teatro Escola Macunaíma, “O Brasileiro”, essa é a roda do “Merda!”de antes da peça.
Faz 10 anos! E 10 anos é tempo à beça, mas o que será que mudou?


Bom, aproveitei a vinda da minha mãe pra conversar bastante, inclusive sobre isso, claro!
Não há dúvidas de que o eu sentia quando fazia teatro era amor! Talvez justamente por saber como era sentir isso por alguma atividade é que seja tão difícil viver em uma na qual eu não sinto…
Não sei dizer por que ou quando esse encantamento todo passou, mas o fato é que em 2004 decidi parar de fazer teatro – parar o curso profissionalizante que faltava pouco mais de 6 meses pra terminar e parar de vez com a atividade.


Desde que entrei na tal crise profissional, em 2006, ousava pensar muito rapidamente que devia tentar voltar pro teatro.. que talvez tivesse deixado alguma coisa lá…


Mas eu nunca tive coragem! A verdade é que sou uma grande cagona! Tenho medo de entrar numa turma nova, que eu não conheço, tenho medo de me decepcionar com a turma (porque a minha era incrível!), tenho medo de decepcionar as pessoas em volta, tenho medo de me decepcionar comigo, tenho medo de não ser boa o suficiente, tenho medo de ir lá experimentar, buscar essa tal coisa que deixei pra traz, e não encontrar e ficar sem alternativa depois…
Mas, como disse lá no começo, tá na hora de enfrentar todos estes medos: Resolvi procurar um curso de teatro aqui!!!! 
Começar no começo, só como distração e ver, afinal, o que vou encontrar…
Dei uma olhada na internet, mas ainda é difícil saber qual escola é boa e qual não é, então entrei em contato com o sindicato de atores daqui… Ainda não tive uma resposta, mas vamos ver…
Tinha pensado em escrever sobre essa decisão aqui no blog só depois que já estivesse matriculada no tal curso, mas me dei conta de que tornar público agora vai ter uma função maior: agora que todo mundo sabe, não posso mais fugir! Sou bem boa em me des-convencer de algumas coisas.. Mas dessa vez eu quero enfrentar, eu quero tentar! Por isso vou avisando, talvez eu precise de ajuda, talvez precise que me cobrem, que não me deixem desistir antes de chegar lá – juro que estou me esforçando bastante!


Não tô achando que vai ser uma solução mágica, que vai me tirar de todas as angústias com a vida e com a faculdade, pelo contrário, sei que será bem difícil, mas finalmente resolvi tentar!
Que diferenças isso vai fazer ou não na prática, não faço ideia… Como dizem meus amigos do AV: vamos acompanhar!


Mas a parte mais legal disso tudo é que, um dia depois de ter tomado essa decisão importante, chegaram pra nos visitar meus sogros e trouxeram com eles um pequeno tesouro: antes de vir pro Chile deixei alguns VHSs com eles pra passarem, um dia, pra DVD pra mim…  e o trabalho não só foi feito com rapidez e eficiência, como já chegou em minhas mãos! Resultado: passei horas do último fim de semana assistindo esses DVDs! 
Um deles é uma festinha da minha escolinha no ano de 1989, eu com 3 anos mostrando nas danças que minha descordenação é de nascença! hahahaha
Outro é um curta metragem que fiz nas épocas de atriz, bem ruinzinho por sinal…
E os outros são quase todas as peças que fizemos no Macunaíma filmadas!!!
A coincidência foi incrível! Essas peças não poderiam ter chegado em melhor momento, porque deram um apertão na saudade e um empurrão na decisão!!!

Acho que era isso que eu tinha pra dizer…apesar da dificuldade de dizer tudo isso, apesar de ainda achar que meio que não é da conta das outras pessoas, que é um problema meu e pronto…
Mas quer saber, já que resolvi mesmo ter um blog e falar mesmo sobre mim nele: tá tudo aí! De verdade! Sinceramente! Doídamente! Ridiculamente! Mas, espero, corajosamente!


Obrigada aos que realmente dedicam tempo a ler minhas baboseiras! Conto com vocês nestas empreitadas! (a do blog-bobo e a do retorno ao teatro)


Um beijo mais leve,
(próximo post: Milan Kundera!)


Gabi

Anúncios

Primeiras visitas ilustres!

Quinta-feira, dia 07 de abril, estou eu lavando roupa quando Jack chega em casa na hora do almoço com uma pequena surpresa: minha mãe!!!


Ele programou a coisa toda pra que ela viesse passar meu aniversário comigo! Eu, como sempre, não fazia a menor ideia de nada e fiquei boba!
Quase que literalmente, pq demorei alguns segundos pra entender a situação: minha mãe, Santiago, minha casa…. Parecia que o cérebro estava enganando os olhos, porque não fazia sentido o que estava vendo! hehe
Claaaaro que foi aquele chororô, abraços mil, tremedeira, etc…Veio pra ficar uma semana, o que significa que quinta passada foi embora. =/


Ela me contou que depois que o Jack ligou fazendo o convite pra ela vir é que ela percebeu a saudade que estava. Pois eu acho que percebi o tamanho da saudade quando a abracei!


Vou ficar devendo fotos da semana, porque não encontrando o cabo da máquina fotográfica e porque a maioria das fotos está na máquina dela…. Mas o resumo da semana:


No dia em que ela chegou fez jantinha gostosa com o “macarrão da minha mãe”, um dos meu pratos preferidos e que eu tava morrendo de saudades!
Na sexta eu fui pra aula de manhã, normal, e a tarde fomos no shopping fazer compras! Hahahha. Explico: eu odeio fazer compras!!! E a situação do meu guarda-roupa estava crítica, então fui praticamente obrigada a olhar as coisas com calma e escolher algumas que fossem boas! Passamos muitas horas no shopping e no final conseguimos algumas boas compras! (estou empenhada em mudar meu estilo, me vestir mais “adulta”! Acho que tá dando certo…rs)


No sábado eu tenho aula de manhã e minha mãe resolveu me acompanhar até a faculdade pra passear de ônibus, conhecer outras parte da cidade e conhecer a enorme faculdade! hehehe (a aula de sábado é curtinha e a escola está vazia, então foi bem tranquilo) Depois pegamos o Jack e fomos almoçar em um restaurante muito bom, com uma costela melhor do que a do Outback!!!
E no domingo fizemos um passeio muito legal!! Subimos para o Valle Nevado, uma das estações de esqui daqui. Dá mais ou menos 1h40 de viagem, numa estrada com 61 curvas em 180o! Sim, 61!!
Claro que nesta época do ano não tem neve, mas o passeio vale pelas vistas! Santiago fica em 600m de altitude e o Valle em 3000m; enquanto vamos subindo acompanhamos diversas mudanças: no clima, no céu, nas vegetações, etc… É muito lindo! No dia em que fomos o clima estava muito nublado aqui em baixo, tanto que quase desistimos de subir, mas passamos por todas as nuvens e encontramos um céu muito azul!!! Com um mar de nuvens que era a coisa mais linda! Fora o escândalo à parte que são as montanhas e a Cordilheira! Imensa, marrom, com neve em alguns picos… um espetáculo!


Na segunda era meu aniversário então cabulei a aula(com incentivo. rs) e passei o dia com mamãe =D
Fomos almoçar em um restaurante super chique, indicado pela tia Maria. Chama Aqui está o Coco e é especialista em coisas do mar. O lugar é lindo e a comida muito boa! Presentão de aniversário!!!
Depois subimos de Funicular – um bondinho – até o Cerro San Cristóban que tem uma vista muito legal da cidade e, especialmente, uma vista incrível da Coridiheira! De lá de cima conseguimos ter a noção exata do quão grandiosa ela é, porque se pode comparar seu tamanho com os prédios pequenininhos em baixo! Juro, chega a ser emocionante!!!
A noite ganhei “bolo de cenoura da tia Vania”, delicioso e vieram 3 amigos comemorar um pouquinho com a gente!
Na terça tinha aula o dia inteiro então minha mãe foi fazer aquele tour com o ônibus vermelho de dois andares (depois cobrem fotos dela) pelo centro de Santiago.


Na quarta fomos em outro restaurante de frutos do mar onde comemos uma paella peruana, com um tempero diferente, mas bem bom tb!
A noite a saudade prévia já começou a apertar e curti um colinho de mamãe, e comecei o chororô da despedida!
Ela foi embora de manhã e, confesso, foi mais difícil voltar pra casa vazia nesse dia (sorte que tem a Maní!!).


Foi uma semana ótima pois além dos passeios das comidas deu pra se curtir bem, matar a saudade e conversar muito. Todo tipo de conversa: boas, difíceis, necessárias, gostosas, fofocas, engraçadas, etc


Isso sem falar na Maní que amou ter a vó aqui! Ganhou presentes lindos – que ela já elegiu como preferidos! – foi mimada, teve mais companhia do que o normal, ganhou muito colo e aprendeu rapidinho pros pés de quem correr depois de fazer coisa errada! hahahha


O bom é que na quinta (mesma quinta) a noite chegaram os pais do Jack que vieram pra ficar pouquinho – já vão embora no domingo – mas o suficiente pra curtir a família e a cidade!




(esse foi um post mega descritivo, hein?! Acho até que ficou meio desconexo, mas acho que deu pra contar um pouco de tudo…é isso que importa, certo? rs)


Beijos saudosos!