“Na tua presença” – 16 meses

Cecília:

Ontem você completou 1 ano e 4 meses e eu fiquei me lembrando do ano passado, quando você completava no Brasil seus primeiros 4 meses de vida, na sua primeira viagem, quando conheceu pela primeira vez tanta gente especial

Tanta coisa aconteceu desde então – tanta viagem, tanta gente especial, tanta mudança, tanta saudade, tanto amor – que é até difícil acreditar que faz só um ano. Com você, minha pequena, os dias continuam sendo deliciosos e intensos – imagine então um ano inteiro disso o que não é…?!

Você está crescendo a olhos vistos e todo mundo comenta o seu tamanho, sua esperteza e como cada vez mais você está deixando de ter cara e jeito de bebê e se tornando uma linda menina! Escuto isso de todo mundo e fico sempre pensando comigo: “nada disso! Oficialmente ela é um bebê até os 2 anos e ainda falta mais de meio ano pra isso! “

Mas ontem me caiu uma ficha (será que você entenderá essa expressão?rs) importante: faz muito tempo que eu não te chamo de “Bebéia”!

Você é minha eterna Pica-pau quando está com sono, minha Delícia quando me agarra num abraço, minha Chinchila quando me diverte, minha Terrivelzinha quando faz aquela cara de safada, a Cecília em tantos momentos do dia e Minha Menina quando ficamos juntinhas nos “chamegando”… mas acho mesmo que a Bebéia anda cada vez menos por aqui…

E, quer saber?! Por mais que eu sinta saudades daquela coisiquinha gostosa, você me faz cada dia mais feliz, assim mesmo, como você é: a cada dia menos Bebéia e mais Cecília!
  

Pra cuidar da saudade eu tenho um montão de fotos e vídeos que posso revisitar sempre! Pra me ensinar a viver o agora tenho a sua companhia, sempre tão atenta, demandante e deliciosa! Ainda bem!!!

“Na tua presença” – 15 meses

Hoje minha bichinha completa 1 ano e 3 meses de vida!

Eita fase gostosa! Eita fase difícil! rs

É muito curioso vê-la crescendo e tornando-se “independente” em tantas coisas e, ao mesmo tempo, aninha-la tão bebéia no meu colo quando está cansada, quer chamego ou mamá…!
Esse “mix” também acaba aparecendo no comportamento dela, às vezes tão doce, às vezes tão orgulhosa de si e outras vezes tão chorosa!

E, oh, vou te contar… acho que em cada uma das mil vezes no dia em que nos re-apaixonamos por nossos filhos e liberamos um mar de oxitocina olhando aquelas carinhas lindas, também liberamos – em algum reservatório secreto – umas porções extras de paciência… porque só essa teoria explica de onde vem esse ingrediente milagroso que tantas vezes parece que vai esgotar, mas não esgota nunca… hahahaha

Mas pensando bem… por mais que de vez em quando eu precise de um respiro, a verdade é que eu nunca poderia “ter demais” dessa deliciosidade! Seja ela adulta, bebéia, carinhosa, teimosa, divertida, chatinha, colenta, figura, palhaça, docinha, enfim…

Digam se não é pra querer sempre mais?!

15 meses

ps.: já curtiu a página do blog no facebook?? Agora tem até uma caixinha pra fazer isso aqui embaixo, oh:

“Não pude segurar a mentira…”

Dia desses estava conversando com umas amigas e comentei que Cecília tá puro grude, que até pra cozinhar preciso ficar com ela no colo – e então deu-se o seguinte diálogo:

Amiga 1- Não, Gabi! Como assim? Não pode!

Eu – Ela fica chorando agarrada na minha perna!

Amiga 1 – Deixa chorar!

Eu – Eu deixo! Mas aí… Ela… Ela chora… E… Eu não…. Até que ela… E aí… Eu não consigo!

Amiga 2 – Ela é pequenininha ainda, né?!

Todas nós – É…

Aquela conversa me incomodou e ficou ecoando na minha cabeça até que eu conseguisse entender:

1- Mentira! Eu não deixou chorar – não quando eu posso pegar Chinchila no colo!

2- Menti porque fiquei com medo do julgamento clássico de “você está mimando essa menina”!

3- Amiga 2 me salvou das reticências infinitas – era tão mentira que eu nem tinha argumentos pra justificar…rs

Então vou desmentir essa história e tentar não ligar pros julgamentos:

 Há duas coisas que eu não nego nunca pra Cecília: colo e mamá!

A menos, claro, que eu esteja fazendo alguma coisa em que o colo represente perigo ou que esteja em uma circunstância em que não dê mesmo pra amamentar, sempre dou quando ela pede!

Minha bichinha tá cada dia mais autônoma, curiosa, comendo sozinha, brincando sozinha, querendo explorar o mundo com as próprias pernas (e olhos e dedos e boca..)



adulta!





Cantinho da leitura / independência



Eu percebo que além de divertida, cansativa e aventureira essa etapa que ela está vivendo agora pode também ser algo assustadora, por isso acho absolutamente normal ela PRECISAR de mim nos intervalos da nova independência! Seja pra recuperar as energias ou a coragem, estou aqui pra dar esse alento que ela busca, mesmo quando essa necessidade é mais constante!

  Isso não quer dizer que eu não coloco limites nela, ou que nunca negue nada a ela – por exemplo, ela não pode brincar com coisas perigosas, não pode assistir tv, não pode estragar coisas que não são “estragáveis”, não pode fazer brincadeiras que possam machucar a Maní (ou a gente, ou a si mesma)..enfim, coloco os limites que considero importantes –  e ela tem sim que lidar com as frustrações resultantes deles – mas, definitivamente, poder ficar no colo e mamar quando quiser NÃO se encaixam nessa categoria! Ponto!

(um parêntesis curioso: essa escolha do que é importante limitar é absolutamente pessoal e sei que, às vezes, as mesmas pessoas que julgam minha filha mimada porque ganha “muito colo” nos consideram meio carrascos por não deixá-la brincar com celular ou comer umas tranqueiras…)

Já disse, muito bem dito, o querido Dr. Carlos Gonzalez: “Amor ‘demais’ não estraga ninguém, o que estraga é a falta dele!” 

Agora, uma coisa eu admito: não é fácil!

Como vocês devem ter lido nuns últimos posts meus, não estava fácil tê-la tão agarrada a mim, me impossibilitando de fazer várias coisas que eu precisaria/gostaria. Não é fácil desapegar das minhas neuras e largar tudo como está pra atender à “simples” necessidade de aconchego de outra pessoa. Não é fácil acolher quando a gente também tá precisando ser acolhida…

Mas, oh, ninguém falou que seria fácil e eu escolhi esse caminho sabendo o que me esperava! rs

Porque grande parte disso tudo é realmente escolha: eu podia escolher deixá-la chorando, ou escolher colocar um desenho na tv pra ela assistir enquanto eu tenho um pouco de paz  ou enquanto faço a janta, ou escolher deixá-la chupando chupeta ao invés de ficar uma hora inteira com ela com o meu peito na boca…

Eu podia escolher fazer diferente, como muita gente escolhe e faz – que fique claro, não tenho absolutamente nada contra essas escolhas diferentes, só estou dizendo que elas não são as minhas e que eu tenho que lidar com o que provém  disso.

Por sorte tenho o enorme privilégio de poder estar o dia todo com meu pica-pau e tomar essas decisões “menos práticas” e bem cansativas!

Mas depois dos dias (semanas?) mais difíceis e complicados pós nossa mudança pra cá eu precisei fazer alguns ajustes por aqui… Procurei mais atividades e brincadeiras pra fazer com ela durante o dia, dei uma relaxada nas minhas neuras com a casa e tenho conseguido incluí-la no que precisa ser feito – descobri, aliás, que o colo solicitado na hora de eu fazer comida é menos carência e  mais curiosidade e vontade de participar!! Nessa hora, haja oração do Santo Sling!! Hehehe

Enfim, ajustes, amadurecimentos (dela e meu), rotina, casa fixa quase mobiliada (rs)… Tudo isso tem deixado as coisas mais gostosas a cada dia! Tanto que já pude até vir escrever sobre o assunto! 😉

Porque olha, juro, verdade verdadeira mais pura: tudo que tem de “não fácil”, tem mil vezes mais de delicioso – afirmo agora, que estou mais leve! Hahahaha



olheiras absolutamente justificadas! 🙂



“Na tua presença” – 12 meses – as fotos!

Daí que Cecília já completou 13 meses (pausa pro choque, por favor) e eu não só não postei nada no dia, como ainda estou devendo as fotos dos 12 meses, né?!

Bom, vamos resolver um problema por vez… rs

Primeiro vim pagar a dívida antiga – e com juros, que eu sou “mulher de palavra”! rs

Trouxe dois conjuntos de fotos, um com fotos de dois dias antes do aniversário, numa tentava (frustrada, btw) de tirar foto pro passaporte (de urgência shame on me) dela, e outro com as fotos lindas, lindas que a Bia Cardoso tirou durante a festa, no próprio dia 24/01!

Favor deliciar-se, grata!

1 ano 12 meses

Beijos!

“Na tua presença” – 12 meses

1 ano!

Inteiro!

Que loucura, filha! Que loucura…

Há um ano nós nos reconhecemos pela primeira vez…

Eu, tão feliz.

Você, tão peixinha.

Eu, realizada, ocitocinada, (des)preparada.

Você, “estranhada”, esfomeada, melecada.

Você chegando nesse mundo louco, quando tudo o que conhecia até então era o meu corpo, por dentro.

Eu te trazendo pra fora, empurrando junto uma força que eu não sabia que tinha; parindo, de lá de dentro de mim, uma nova forma de ser mãe.

Surreal. Intenso. Apaixonante.

O parto, sim. Mas não só ele… Todo o caminho da gravidez, vivido tão plenamente e tudo o que veio depois dele…

Intenso. Apaixonante. Surreal.

Plenamente… Assim temos vivido desde então.

Pro bem e pro “mal”.

Plenamente, no dicionário: inteiramente, completamente.

Inteiramente apaixonada. Completamente irritada. Plenamente cansada. Inteiramente sem dormir. Completamente feliz. Plenamente desafiada. Inteiramente  aprendiz.

Haja advérbio de intensidade! rs

Um ano, filha! De te conhecer, te guiar, te ensinar, te deixar ser…

Um ano de você nos encantar!

Obrigada, Cecília, por ter chegado em nossas vidas, com esses seus “tremendos ojos” tão doces, com sua boquinha de sapeca, seus dedos compridos e curiosos, seu cabelo tão macio, seu cangote cheiroso…!

Obrigada por me ensinar a cada dia a ser mais leve (mesmo que às vezes eu sofra pra aprender), por me mostrar diversão  onde antes eu via rotina; por me fazer companhia quando eu quero, quando preciso e quando não quero também! Hehehe

Você trouxe COR pros meus dias.

Você me acompanha nas danças e eu te embalo o sono.

Você é o que eu fiz de melhor nessa vida! E ainda há tanto o que fazer…tanto o que viver…!!

Essa data tem me deixado um pouco saudosista e por esses dias eu andei revisitando fotos e vídeos de quando tudo começou. É uma loucura pensar em tudo o que aprendemos e mudamos nesses 365 dias! Mas é também muito lindo poder nos reconhecer naqueles seres “estranhos” que vemos no vídeo, sabe?! Somos nós 3, ainda que muito melhores e “maiores” agora!!

Há um ano você veio conhecer o mundo do lado de fora da mamãe – chegou e transformou o meu mundo!

Há um ano sou um pouco mais feliz e mais apaixonada a cada dia!

Há um ano carrego comigo uma responsabilidade imensa e deliciosa.

Um ano inteirinho desse amor que não dá pra colocar em palavras…que inunda e transborda. Um amor maior que esse mundão que temos pra te apresentar, Cecília!

Espero que você sinta, que você se lembre e que você saiba sempre como é especial e amada por todos!

Te amo demais, Pica-pau!!!!

Feliz primeiro aninho, Chinchila!!!

( porque a gente teima com o marido pela decisão do nome da cria e depois usa o zoológico inteiro pra chamá-la!! hehehe) ps.: As fotos do mês vão ter que ficar pra depois, porque máquina e cabos já estão perdidos dentro de alguma mala!! (faltam 18h pro embarque!!)

“Choro bandido”

As mulheres da nossa família são conhecidas mundialmente por sua habilidade de “chorar até em comercial de margarina”; basta uma imagem mais piegas que as lágrimas já brotam e escorrem…
Eu, que não nego minhas origens, sempre fui chorona assim também, por isso imaginava que quando me descobrisse grávida, abraçaria seu pai e choraria. Mas não.

Achei então que estava guardando as lágrimas pra quando ouvisse seu coração pela primeira vez no ultrassom, mas também não foi dessa vez…
Nem quando comecei a sentir você se mexendo dentro de mim, nem quando seu pai sentiu o primeiro chute, nem quando descobrimos (e nomeamos) você a caminho…
Eu sempre me emocionava e explodia de felicidade, ficava com as pernas bambas, claro, mas o choro nunca vinha…

Fiquei esperando o “choro catártico” pra hora do parto e, surpreendentemente, eu era a única envolvida na sala que não chorava naquele momento lindo!

Nunca consegui explicar bem o porquê dos “olhos secos” em situações tão especiais… Pensei que era tanta felicidade que nem cabiam as lágrimas…
Mas eu entendi recentemente que, depois de você, filha, eu fiquei mais forte e mais sensível! Eu não chorei nesses momentos grandiosos justamente por sua grandiosidade…Como se ali eu fosse leoa, fosse fera-feliz e nada mais!
Em compensação chorei com muitas pequenas coisas, muitos detalhes delicados, coisinhas do dia a dia que você me ensinou a viver e apreciar!
Chorei muitas vezes com sua virada de olhos cheia de prazer ao começar a mamar, chorei com nossas trocas de olhares e, depois, de sorrisos… Chorei quando você chorava, mas também chorei com algumas gargalhadas suas. Chorei com carinhos e abraços que você me deu. Chorei quando você só era capaz de se acalmar em meus braços. E quando você precisou agarrar bem forte em mim pra enfrentar seus medos. Chorei de rir, muitas vezes. Chorei sentindo seu cheiro. Chorei te vendo dormir, minha Cecília.

Mas ontem foi um dia de primeiras vezes.
Ontem, pela primeira vez, chorei em um desses momentos grandiosos em que se esperaria mesmo umas lágrimas.
Ontem você soltou a mão do seu pai e caminhou na minha direção.
Ca-mi-nhou! Assim, de pressa, estabanada. Andando, mesmo! Tão adulta, tão linda, tão feliz!
Te agarrei no final do caminho num abraço e chorei, chorei!

Talvez porque a leoa viu sua filhotinha grande e querendo ser independente e pode liberar a fragilidade de dentro dela, não sei… Talvez porque ali você era a expressão física de “grandiosidade“…
Só sei que a força do momento se juntou com a força da emoção e meus olhos vazaram amor (junto com meus seios, diga-se de passagem! rs)

Vai, filha, caminhe em direção à vida e ao futuro! Ou melhor: vamos! Com choro ou sem, não importando os motivos das lágrimas ou de sua ausência, mamãe e papai sempre estarão aqui pra te amparar e receber, como fizemos tantas vezes ontem!

“Na tua presença” – 11 meses

11 meses e 2 dias, porque atrasei de novo… =/

Na verdade, ainda estamos em meio à maratona de natal (que aqui começa dia 23 e esse ano só terminará no dia 28, oh que chato!rs), mas mesmo sem tempo de parar pra escrever, não podia deixar passar em branco o penúltimo mesversário da minha pequena!

Então fica aqui o registro delicioso:

11 meses

E prometo voltar logo pra contar a coisa linda que foi ver a Cecília curtindo seu primeiro natal!!!

“Na tua presença” – 10 meses

(10 meses e um dia, né, porque eu atrasei a postagem…rs)

E nostalgia é a palavra do momento!

Trocando a fralda da Cecília ontem de manhã me lembrei que ela completava 10 meses de vida! 10!
Esse mês eu não percebi o dia 24 chegar, nem esperei ansiosa por ele, de forma que essa lembrança me atingiu em cheio! Não sei se porque entramos na casa dos dois dígitos ou se porque eu tava vendo ali na minha frente aquela bebéia enorme que conversava comigo toda descabelada e com a maior cara de sono do mundo – deliciosa, como de costume!rs

Em seguida fui tirar o pijama e ao olhar no espelho, além da magreza evidente (proveniente de 10 meses de amamentação intensiva e 6 meses de dieta restritiva) procurei em mim outra coisa… Procurei e encontrei aquela “bisnaguinha” logo abaixo do umbigo! Aquela prova de que essa delícia todinha de bebéia, há não tanto tempo assim, morava aqui dentro de mim! Ufa!
Dei uma namoradinha na pança, um cheiro bem gostoso no cangote da Cecília e engoli a lágrima que quis escorrer!

E, acho que é brinde da nostalgia, passei o dia dividida…
Comemorando o apetite que apareceu de repente, apetite de “menina grande”…; me impressionando com as equilibradas pra ficar em pé sozinha cada vez por mais tempo – e a carinha incrível de satisfação que sempre acompanha esse feito; me divertindo com os balbucios cada vez mais entendíveis – ela já pede água!!

E, ao mesmo tempo, pensando que não tô gostando da velocidade que o tempo resolveu assumir, não! Que absurdo! Não tô pronta pra ser mãe de menina e não de bebéia!
Pensando que apesar de poder desfrutar de praticamente cada minuto da vida dela, eu gostaria mesmo é que cada um deles demorasse, no mínimo, o dobro de tempo pra passar…

Os deixo, então, com a pergunta, na esperança de alguma resposta com a solução mágica:
#comofas ???
(Hahaha)

IMG_6990.JPG

“Educação Sentimental “

Há muito que quero ensinar à minha filha nessa vida e sei que a maioria das coisas importante se ensina não por discurso e/ou imposições, mas através de exemplos…

Sem dúvida foi assim que aprendi com meus pais a amar livros e músicas e é assim que venho “contaminando” a Cecília.

Do alto de seus nove meses a pequena tem um monte de livros (a maioria presente da vovó Nanci) e os adora, seja pra ler com a mamãe e o papai ou pra “introjetar” os conteúdos:

IMG_6695.JPG

IMG_6696.JPG

E música?!?
Ela ouve comigo e curte desde a barriga e reconhece algumas músicas preferidas (sorrindo ou se acalmando) desde muito pequeninha!!! Agora já aprendeu a dançar e muitas vezes capta uma música no ambiente e começa a balançar os bracinhos antes que eu tenha escutado qualquer coisa!

Hoje comecei a dar uma nova lição. Lição que minha mãe começou a me passar muito cedo, quando eu tinha meus poucos 1 ano e 10 meses. Lição que eu não esqueci nunca, que mora no meu coração desde que me conheço por gente!
Hoje levamos a Cecília pra assistir seu primeiro show!!!

Fomos eu e minha mãe com ela, pra relembrar os velhos tempos e recomeçar uma tradição. O show era da Banda Estralo, “Estórias de Cantar”, recheado de poesias, musicas de qualidade e muita gracinha pra criançada, muito gostoso!!!

Estávamos receosas que ela se assustasse, que fosse muito novinha pra aproveitar… Se acertamos ou não?!
Da uma olhadinha no vídeo:

https://www.youtube.com/watch?v=tE1CkOhxTJ4&list=UU7Yer89BLpCSKu-RtaWt0tg

Acho que estamos no caminho certo!!! =)

(ps.: alguém aí me ensina a colocar vídeos no wordpress??rs)

“Na tua presença” – 9 meses

9 meses, filha!!!

Semana que vem, na quarta-feira, você completa aqui do lado de fora o mesmo tempo que viveu dentro de mim: 39 semanas e 5 dias!

E de todas essas semanas de vida, sem dúvida, as últimas 4 foram as mais intensas que vivemos!
Sua carinha mudou de novo (tá voltando a ser a cópia do pai! rs). Seu cabelo foi cortado pela primeira vez. Mudamos de casa (e de país) e você sentiu. Mudamos de clima e você vem sentindo bastante..rs Sua alergia finalmente se estabilizou. Sua simpatia e sua curiosidade crescem a cada dia, junto com você, minha comprida!
E você aprendeu tanta coisa nova: Sentar, levantar, se jogar pra trás, engatinhar, fazer careta, fazer charme, comer com as mãos, fazer carinho, pedir…. uma lista tão grande e tão rica!!!

Ê delícia que é te ver descobrindo o mundo!!! O tempo todo em busca de algo interessante, sem parar!
Tão sem parar, aliás, que dá uma olhada como ficou nosso registro mensal :

IMG_6685.JPG

Hahahaha

É cansativo e não é fácil pra gente, filha! Mas dá pra notar no seu bico de concentração e na força desajeitada do seu corpo que também não é simples pra você.
Mas, sabe, é pra isso que nossa família está junta nesse mundo: pra transformar o chato em divertido, o difícil em estimulante e o complicado em delicioso!!!

Vamos juntos?!

IMG_6686.JPG