"Foi assim…" – parte 5

 
 

Cecília chegou ao mundo às 18h12 (havíamos chegado na clínica umas 16h35) e foi recebida pelas mãos do médico – ela tinha o cordão umbilical enrolado no pescoço (o que é super normal e não representa nenhum risco pro bebê, ok?!?), mas como o cordão era meio curto ele não conseguiu desenrolar logo que saiu a cabeça (como normalmente se faz) e teve que esperar o corpo sair pra passar ela toda por dentro da circular do cordão – uma manobra e tanto! rs
Feito isso, ela veio direto pro meu colo – e essa, senhoras e senhores, é um sensação que eu não vou esquecer nunquinha na vida!!!
Coisa mais maravilhosa é ter aquele corpinho todo molinho, gosmento, quente, macio e cor de rosa encostando inteirinho em você, pele com pele!
Ela chegou, deu uma olhada em volta tentando entender o que tava acontecendo e aí abriu o maior berreiro! Berreiro dum chorinho rouco totalmente apaixonante!
Ficamos uns minutos assim, ela nos meus braços e nós duas nos braços do Lucas… sabe amor? Então… era mais do que isso!!!


 


O pediatra chegou perto e deu uma olhadinha nela, depois a cobriram com uma fraldinha e só…nem limparam, nem nada… No “aperto” da passagem pelo canal de parto ela tinha feito cocô, mas, juro, não me importei nem um tiquinho de ficar toda suja de mecônio! rs

 

(em tempo: uma coisa importante é avaliar como está o líquido amniótico quando a bolsa estoura.. meu líquido esteve o tempo todo – sim, ele não saiu todo de uma vez! – transparente e com cheirinho de cloro, ou seja, limpo. Por isso sabemos que o mecônio só saiu na hora do parto mesmo!)


Alguns minutos depois o cordão umbilical foi clampeado e Lucas o cortou (antes ele dizia que não ia querer cortar, mas na hora animou! rs) e então eu voltei a sentir contrações, bem mais leves agora… era a placenta que estava vindo! Lembro de precisar fazer só um pouquinho de força e ela já “nasceu”, bem fácil…
O médico a pegou, abriu pra confirmar que ela estava inteira (não pode sobrar pedacinho dentro do útero!) e me mostrou – achei muito legal, mas preferi não comer…hahaha

Em seguida me ajeitaram um pouco na maca pra que o médico pudesse me dar pontos.
Tive duas lacerações pequenas e superficiais – o que eu achei ótimo, levando em consideração que não fiz nadinha na gravidez pra preparar o períneo! 
Tinha esquecido de comentar, mas o médico depois me disse que houve um momento em que teve quase certeza de que teria que fazer uma episiotomia (no plano de parto eu pedia que não fizesse, a menos que corresse o risco de uma laceração de mais de 2o grau!), chegou a pedir pra enfermeira arrumar as coisas pra isso, mas acabou que conseguimos evitar…ufa!!!
Não senti dor na hora da laceração, nem nos pontos no pós parto (acho que eles me incomodaram um pouco umas 3 vezes só neste mês em que me acompanharam…rs), mas senti dor na hora de dar os pontos! Tive a impressão de que a anestesia local não pegou direito, mesmo o médico tendo colocado duas vezes, então senti meio que todo o processo e não foi bacana…rs. Mas nessa hora eu já tinha no colo meu pacote de gostosura e isso deixa toda experiência mais bonita! hehehe


 
 


E aí tivemos um tempão pra ficar nos namorando… ê delícia!!!
Tiramos fotos e mandamos pras famílias – que aguardavam ansiosas por notícias nossas!
(ah! na correria de ir pra clínica acabou que não avisamos ninguém que estávamos indo, como era o plano…hahahaha)


Nós 4!!! (aliás, essa é a Sil, pessoal! rs)

Também nesse período a matrona veio nos ajudar a colocar Cecília pra mamar!!
Não foi fácil! A ferinha só gritava e não entendia que o peito ia ajudar…rs
Mas eventualmente nós conseguimos!!! E aí…sabe aquele “mais que amor”?? Então…era mais ainda!!!


 


(Depois descobri que fizemos errado,  não acertamos a pega e, apesar de mamar super bem e engordar normalmente, Cecília passou a primeira semana mastigando meus pobres mamilos… =/
Agora a pega já está corrigida e amamentar tem sido delícia pura!!! Mágico, mesmo!!)


Passadas 1h40 de muito namoro, colo, peito, pele com pele, muita baba (nossa! ela ainda não baba! rs) e muito carinho melequento, vieram nos perguntar se já podiam vesti-la… Eu achei que já era ok, então o Lucas a levou para o pediatra, que só então fez as primeiras avaliações.


Carregada pelo pai pela primeira vez!
Sujinha de mecônio e agarrada no pai!



Num bercinho ali do meu lado eles fizeram as avaliações necessárias, tudo com muito respeito… sem aspirar, sem pingar colírio, sem procedimentos padrões invasivos e desnecessários!
Pra tomar a vitamina K (intramuscular) ela voltou pro meu colo e nem pareceu sentir nada…
Foi avaliada (apgar 9/10), medida (51,5 cm), pesada (3,290 kg), limpa com óleo de calêndula e vestida! 


Pai orgulhoso!


Depois voltou pro meu colo e fomos levadas assim, grudadinhas, pro nosso quarto!


Mãe orgulhosa!

Já no quarto, recebemos alguns amigos queridos, eu jantei e só aí comecei a sentir o cansaço…
Além do acesso venoso chato na mão, as outras pequenas desvantagens do parto hospitalar foram o fato de eu só ter podido levantar da cama depois de 6 horas do parto e só poder tomar banho na manhã seguinte – sendo que não me deixaram lavar o cabelo nesse primeiro banho (?? vai entender…rs)

Cecília nasceu no final da sexta feira e ficamos na Clínica até domingo a tarde…
Estávamos as duas ótimas, por isso nos deram alta antes do “procedimento padrão”, que nos faria esperar até segunda feira no final da tarde…

Ela ficou no quarto com a gente absolutamente o tempo inteiro! Só saiu duas vezes pra fazer exames e o Lucas foi junto pra ver o que faziam com ela… Tomou vacina mamando no peito e também não reclamou nada!
Foi amamentada desde o princípio em livre demanda e eu logo percebi que a dedicação que isso demandaria não seria pouca – mas valia a pena! (duas enfermeiras tentaram me convencer que se eu mandasse a bebê pro berçário a noite, descansaria melhor… sorri e fiz cara de alface, sabe como? rs)
É normal que bebês percam 10% do seu peso nos primeiros dias de vida…ela, “mamona” que só ela, perdeu 4%… antes de irmos pra casa o colostro já tinha começado a dar lugar pro leite e a produção aqui continua sucesso!

Me recuperei bastante rápido do parto… como disse, não senti nada nos pontos! Nos dois primeiros dias sentia o corpo inteiro doer como se tivesse feito musculação por uns 3 dias seguidos… também sentia uma espécie de “peso” nos músculos da bunda e era (engraçadamente) difícil sair da cama, me sentia grudada…rs. 
E sentia MUITA fome!!! Devorei todas as refeições do hospital, comendo inclusive um monte de coisas que nunca na vida havia comido porque não gostava! hahaha
Mas tudo isso foi passando bem rápido! Hoje, depois de um mês (!!!), estou completamente inteira! Já perdi 9 dos 10,5 kg que engordei a nem vi essa história de resguardo…meu corpo esqueceu rapidinho tudo pelo que tinha passado!

O corpo esqueceu, mas o coração e a mente vão lembrar PRA SEMPRE… como o primeiro dia de 2014, o primeiro dia de Cecília, o dia em que eu virei outra (volto pra falar sobre isso! rs), o dia em que nós 3 nos agarramos e nos transformamos!!! O dia mais intenso e mais lindo da minha vida, sem dúvida alguma!!!




(vocês ainda aguentam “me ouvir” falar mais um pouquinho sobre o assunto?? Ó que eu volto, hein?!? rsrs)

Anúncios

16 pensamentos sobre “"Foi assim…" – parte 5

  1. Muito lindo o relato….sou a favor do parto natural….apesar de nenhum dos meus teria sido assim(fazer o q?!Era necessário).
    Gabi adorei ter lido esse momento único em sua vida!!!!Está de parabéns!!!!Pena não poder dar uns amassos na Cecilia, rsrsrsrsrs………….beijão

    Curtir

  2. Pingback: "Foi assim…" – parte 4 | Aos queridos, curiosos e pacientes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s