A intensidade das coisas

Santiago é uma cidade totalmente rodeada por cordilheiras, por um lado a dos Andes (ainda fico devendo um post sobre ela) e por outro a da Costa, e esta é a causa de um dos maiores problemas da cidade: o Smog.
Sabe aqueles dias secos de inverno, em que o SPTV mostra imagens do céu de São Paulo com aquela capa de poluição por cima? Aqui é muito pior!
Com as montanhas feito muralhas fechando toda a volta não há vento, não há circulação de ar, não há dissipação de sujeira ou de nada!
Mas, curiosamente, é justamente na cidade em que o ar não se mexe e em que as coisas não fluem que estão acontecendo as maiores movimentações e “fluências” da minha vida! 
Primeiro porque foi aqui que viemos começar nossa vida nova, longe de todas as referências, só nos dois – uma grande movimentação pra fora da zona de conforto e no sentido das nossas escolhas e da nossa felicidade.
E segundo, porque esse momento de “adaptação” tem sido pra mim um momento de muito fluxo!!!
Emocionalmente parece que nunca “senti” tanto quanto aqui; talvez por estar nesse tal momento eu me permita um pouco mais do que normalmente… Mas o fato é que aqui nenhum sentimento é simples ou fraco, tudo é sempre muito e de muita intensidade: felicidade, saudade, ansiedade, chateação, irritação, alívio, conforto, alegria, amor… Tudo em grandes pacotes tamanho Jumbo!


Mas parece que o principal mesmo é o fluxo de pensamentos. É incrível como muita coisa pode acontecer enquanto você está esperando que algo efetivamente aconteça! A verdade é que venho esperando há um tempo: esperando saber pra onde ia, depois esperando vir pro Chile, agora esperando as aulas começarem…
Mas magicamente (ou, na verdade, com muita análise) aprendi a não fazer de toda espera uma grande angústia parada e improdutiva. Coloquei meus pensamentos pra trabalhar! Primeiro servia pra aliviar a ansiedade, pesquisar, fazer planos…
Mas a parte gostosa é que agora sinto que simplesmente tenho pensado em tudo e pronto! 
Começar uma vida nova não consiste em somente planejar as novidades – ou se adaptar a elas – mas também em avaliar as partes anteriores e usar isso pra alguma coisa.


Como eu disse no outro post, é uma delícia ficar muito triste sabendo o porque da tristeza, conseguindo avaliar o quanto dela é real e o quanto dela é excesso, mas ainda assim, podendo sentí-la! E isso é novo pra mim!


Também tenho curtido muito essa coisa de avaliação do que foi a vida até aqui. Pode ser algum tipo de complexo liberado pela aproximação dos 25 anos (rs), mas realmente serve pra me fazer crescer!


E essa é a maior movimentação da minha vida na cidade inerte: sinto como se a cada dia eu crescesse um pouco mais! (em vários sentidos – aliás, amanhã começo a academia…hehehe)
Eu achava que tinha medo de virar adulta, ou tinha medo de não ser capaz de virar adulta de vez. Mas está simplesmente acontecendo, simples assim! E é incrível!




Ps.: esse post acabou ficando um pouco mais reflexivo do que deveria ser, segundo a proposta do blog…mas sabe como é, agora que eu tenho um blog (o que ainda soa um pouco estranho…rs), se um pensamento chega muito intenso ele tem um lugar pra ir e se dissipar! 

Anúncios

Sobre a compra de mês

Duas palavras a respeito: Meo Deos!!!


Voltei com a cabeça cansada como se tivesse passado horas resolvendo equações complexas!
Sério, não fazia noção do quão habituada estava a comprar sempre as mesmas coisas, das mesmas marcas..
O mercado inteiro é uma aventura! Confesso que fiquei caçando marcas conhecidas (o que talvez tenha custado um pouco mais no final)…rs  Além de não conhecer as marcas, tem alguns produtos que simplesmente não conheço!! Milhões de tipos de arroz diferente, feijões com nomes estranhos…e as carnes??? Quase impossível comprar carne! Precisaria do google lá pra me ajudar!!! hahaha


Mas é divertido também…por exemplo: comprei um macarrão de cada marca e tô pensando em fotografar e ir anotando opiniões, pra poder aprender qual é minha nova marcar preferida…
Ou seja: sair do conforto é uma aventura divertida, mas pra inventar novas formas de encontrar o conforto.


Porque afinal, é disso que se trata o período de adaptação: aprender a fazer deste lugar a minha casa, tentar viver aqui como eu vivia antes. Não comendo exatamente o mesmo macarrão, mas encontrando meu macarrão chileno favorito e ficando confortavelmente sempre com ele!


Respondendo aos comentários queridos do post anterior: esses altos e baixos são mais do que esperados! Acho que tenho a vantagem de entender que, por mais que a chateação seja por um motivo real, ela esta em padrões e níveis diferentes. E, sem dúvida, poder desabafar pelo blog e ser reconfortada por vocês faz uma diferença enorme!


Gracias cariños!!!

De casa nova e conflito novo

Conforme nosso planos, nos mudamos pro apartamento novo no fim de semana! O que significou vários dias andando no shopping, de loja de departamento a loja de departamento…. Horas de faxina e arrumação, e mais outras horas dessas mesmas coisas nos dias seguintes…Duas noites mal dormidas no colchão inflável… Retorno às mesmas lojas (pq esquecemos de levar embora uma parte das compras e pq a televisão que compramos não funcionava)
E apesar de todo o cansaço, felizes demais! 
Ainda faltam alguns móveis (tipo mesa, sofá, criado-mudo…) mas a casa já está super gostosa, principalmente depois que a cama chegou, ontem! Caprichamos em tudo que escolhemos – modéstia a parte! hehehe

A sala

Cozinha

Um dos quartos de visita

Nosso quarto!





De resto, bom…
Ontem o Lucas começou a trabalhar de verdade, ou melhor, começou a passar o dia todo no trabalhando (não exatamente trabalhando ainda…rs)
Ainda estamos gastando várias horas buscando os móveis que faltam pra casa e hoje faço nossa primeira “compra de mês”, pra começar a usar a cozinha de verdade…rs


Ah! O conflito do momento é a questão do mascote…
Tínhamos decidido (antes de saber que casaríamos e viríamos para o Chile) que teríamos um cachorro; pesquisamos bastante, escolhemos a raça, etc.
A notícia da mudança só reforçou esses planos, pq afinal, no nosso novo estilo de vida, morando só os dois em um país diferente, com planos de viajar bastante (tanto pra conhecer o Chile, quanto pra voltar pro Brasil de tempos em tempos), ter um cachorro parecia mais fácil do que ter um gato.
Mas tinha que ter um dos dois porque ter a companhia de um bichinho faz muito bem!(especialmente pra mim, que sou louca por eles) Me ajudaria na adaptação à vida nova e tal…
Mas com a mudança pra casa nova, tudo complicou: com a história de que no condomínio não se pode ter animal, e pelo fato de o apartamento já estar todo telado, voltei a cogitar ter gatos aqui, que são mais quietinhos e discretos, mas aí além da questão do condomínio (e se eles descobrem e mandam levar embora???), voltam todas as questões de antes, por exemplo: o que fazer com o gato quando formos passar tipo 1 mês no Brasil? Deixar esse tempo todo em hotel me parece meio cruel… E por aí vai…
Não encontro uma solução muito viável, só mais complicações. E essa situação me deixa mais chateada e brava até, do que eu podia imaginar…
O que aliás é uma característica de “expatriados”, ao que me parece… As coisas ganham forças diferentes das que elas teriam em uma situação normal, tanto as boas quanto as ruins…


E cada gasta tempo ocupando/quebrando a cabeça com as coisas que mais lhes convém…


O ideal agora seria um: vamos ver como as coisas vão caminhar agora…Mas a verdade é que estou impaciente demais pra isso!


Gabi








Ps.: Quem me conhece, reconhece na quantidade de reticências desse texto um sintoma de alguma coisa….

Aos poucos: menos turista e mais moradora

Santiago foi muito boazinha conosco e depois do dia 5 cocô nos deu um dia 6 beeeemmm melhor!!!


Ontem, depois de um pouquinho mais de dificuldades “do sistema”, no final do dia a conta corrente finalmente foi aberta e o tal certificado que a Entel (operadora de cel daqui) pedia pôde ser emitido. Com isso, conseguimos nossos celulares!!!


Em seguida fomos olhar aquele apartamento (que comentei ontem). Ele está muito bem localizado (5 minutos do metrô), muito novinho, os armários lindos, com carpete de madeira, geladeira, máquina de lavar, microondas, cortinas, spots de luz no lugar (todos os outros ap estavam pelados)… Sem dúvida o melhor que vimos até agora!!! Não pensamos 3 vezes e fechamos lá mesmo o aluguel!!!
Os únicos pequenos poréns do apartamento são a vista (que não é ruim, mas não é um deslumbre) e o fato de o edifício não aceitar animais..  =/    Mas o resto todo é muito bom e compensa essas coisas…
[Na verdade estamos pensando em ter gatos, que ficam sussa dentro de casa e ninguém vai saber/reclamar deles…hehehe (só precisamos avaliar a questão das viagens e tal…) ]


O alívio de ter essas coisas resolvidas e a sensação de finalmente ter telefone e endereço são impagáveis!!! 
Hoje já vamos sair pra comprar o essencial pra conseguir mudar (tipo cama, toalhas, e outras coisinhas) e pretendemos no sábado já estar fora do hotel e na nossa casinha nova, aí tiro bastante foto pra todo mundo conhecer!


Besitos

O Quinto Dia de Chile

Já logo de cara vou estragar o suspense e adiantar que o 5o dia não foi nada bom!


Pra começo de conversa, a busca por apartamentos parecia infinita…horas e horas de internet pra separar alguns aps interessantes e no final só conseguir marcar visita em 3.
Visitas sem sucesso, novamente (com apenas 1 apartamento podendo ser uma possibilidade remota de aluguel)…Casal super pensativo, na dúvida do que fazer…


Já tínhamos recebido a notícia de que a abertura da conta corrente não tinha rolado (pq não temos endereço fixo) e o Lucas teve que mobilizar uma galera no banco pra tentar fazer dar certo…


Paramos então pra almoçar num restaurante Peruano. Estava tranquila, num lugar seguro e pendurei minha bolsa no encosto da cadeira. Eis que uma criatura (que, segundo o preconceito dos Chilenos me ensinou, devia ser peruano ou boliviano) senta atrás de mim e, enquanto finge que está arrumando o paletó no encosto da sua cadeira, na verdade abre minha bolsa e tira minha carteira de dentro dela, enquanto uma mulher pára na nossa mesa pra fazer uma pergunta qualquer e nos distrair! Filhos da mãe! Eu senti a bolsa se mexer, olhei pra trás e pensei “Não, Gabriela, pára de neura, é só um moço arrumando o paletó” e deixei pra lá….
A sorte foi que um outro cara que estava na mesa do lado tb suspeitou da movimentação e me disse que revistasse minha bolsa quando o fulano foi embora, foi aí que dei pela falta da carteira. O Lucas e o tal que me avisou sairam correndo e gritando em um ato heróico, conseguiram assustar o ladrão que jogou minha carteira de lado e fugiu! 
Ufa! Carteira recuperada com tudo dentro e ninguém machucado!


Bem, depois do susto “terminamos de comer” (e como fica o estômago de pois disso…) e fomos munidos do contrato de trabalho do Lucas e de um papel do banco tentar novamente o celular. Claro que chegando lá aqueles papeis já não eram mais suficientes! Aí toca ligar pra gerente do banco, toca vendedor entrar mil vezes pra ver com chefe todas as possibilidades…mimimi….e novamente saimos sem celular!!!


Ah! E pra terminar o dia com chave de ouro, fomos jantar com Carlos e Begônia. Jantar super agradável, comida deliciosa, sobremesa maravilhosa… mas na hora de ir embora: o carro deles tinha tomado uma multa!!!


Ê diazinho cocô!!! Ainda bem que acabou!!


E o de hoje começou melhor….Encontramos uma apartamento muito legal e que pertence a um FuD! Vamos a noite visitar e estamos esperançosos, pq FuDs sempre se ajudam por aqui… torçam pra dar certo!!


Além disso, agora a conta do banco parece que está verdadeiramente aberta. O Lucas foi até o Santander assinar uns papéis e pegar a tal da declaração que faltou ontem pra conseguirmos o celular… Se der tudo certo, daqui a pouco ele tá de volta e com os iPhones!!


E essas são as últimas notícias chilenas!!!


Beijos!

Um post gigante pra dar conta de contar tudo!

Primeiro o antes de aqui – a viagem: Coloquei no meu twitter outro dia que a parte mais difícil das despedidas era soltar dos abraços, virar as costas e ir embora. E foi assim que foi! Chororô danado no “Embarque Internacional”, abraços queridos e apertados, bem complicados de se desfazer. Mas o Chile nos esperava e, apesar da dor da “pré-saudade”, embarcamos muito felizes! 
A viagem é rápida (especialmente pq dormimos metade dela) e a parte mais emocionante é, sem dúvida, atravessar a Cordilheira dos Andes (que depois merece um post só pra ela!).

 O cartão de memória estava mal colocado na máquina e só ficou essa, das 80 fotos que tirei… =(

E a turbulência nesse momento é tensa!





Bom, chegando aqui tinha um motorista nos esperando no aeroporto que nos trouxe direto para o hotel. Deu pra ver pouco da cidade, mas passamos por um monumento que é quase um personagem num filme chileno que tínhamos visto na semana anterior, ou seja, já parecia que a gente conhecia tudo! Hahahaha


Assim que chegamos o Carlos – um chileno, tb Futuro Diretivo, que vai pro México mês que vem – veio nos buscar. Nos levou pra comer “la mejor hamburguesa de la ciudad” (que até que é boa mesmo!rs) e em seguida já fomos pra praia!!! 


Viña del Mar é uma cidade que já começa te recebendo muito bem! Olha a vista logo que se chega:



Nesse dia estava tendo “churrasco” de aniversário da Marion (outra chilena e FuD, mas que vai pro Brasil!), era na cobertura do prédio dela, no 23o andar com uma vista muito bacana de toda Viña!


E já chegamos falando só português, pois além da Marion e do marido dela – Nico – estarem se preparando pra mudança, ele trabalha em um empresa de barcos que é cheia de brasileiros, e o churrasco tava cheio deles! Estavam tentando “abrasileirar” o negócio, então tinha coração de frango pra comer (que os Chilenos achavam muito estranho) e ouvimos um monte de sertanejo e pagode pra matar a saudade de casa (NOT!)…rs

Marion, aniversariante da noite.



Quando deu umas 20h30 fomos pra praia ver o pôr do sol! Siiimm!!! O sol aqui se põe no mar e as 21h!!!



Apesar de a água ser MUITO gelada (esses que estão nadando são todos loucos, queria deixar registrado…hahahaha), não resisti e coloquei meus pés no Pacífico logo no primeiro dia!! Foi emocionante!


Bom, passamos a primeira noite na casa do Carlos e da Begônia (esposa dele) e no dia seguinte fomos conhecer Valparaiso.

A vista do apartamento

Nossos anfitriões (já em Valparaiso)



Apesar de serem uma ao lado da outra, Viña e Valparaiso não se parecem nem um pouco! Viña lembra muito o Guarujá, com praias bonitinhas, shoppings, bastante comércio, etc.
Já Valparaiso não tem praia, tem porto; é cheia de casinhas antigas e históricas, todas coloridinhas, algumas feitas de lata até! É cheia de morros e tem uns elevadores velhas pra caramba pra levar o povo pra cima e pra baixo (acho que atualmente só 2 funcionam…). É uma cidade charmosa e boêmia…Mas achei que podia ser mais bem cuidada, não sei…

A vista do restaurante onde almoçamos!


Resumindo: foi um fim de semana de amigos, turismos e férias… várias vezes eu esquecia que nã estava fora do Brasil pra mais um passeio…rs

Na segunda feira o Lucas já tinha coisas marcadas no banco. Fomos almoçar com um brasileiro que está aqui quase há 2 anos, que deu várias opiniões e dicas e etc. Em seguida, começamos efetivamente nossa busca por casas. Horas de internet, muito tempo no telefone, muito tempo andando por tudo… é assim que passamos os últimos dois dias! Tá difícil!!! hahahaha
Agora já deu pra ter noção das opções que temos por aqui, e estamos no momento de decidir o que fazer…
Ontém tb teve a novela do celular! Acontece que das 3 companhias de celular que tem aqui, 2 estão com os iPhones esgotados e a que tem o aparelho não quer nos vender porque não temos o visto de residência definitva… Mesmo já tendo o RUT, documento daqui que é como o CPF, não podemos assinar o plano…enfim…rs

Hoje seguimos na busca por apartamento (aliás, vou tomar bronca porque estou escrevendo e não ligando pra imobiliárias) e deve sair o número da nossa conta corrente, aí acho que resolvemos a questão do celular…. Torçam! rs

De resto: os Chilenos são mesmo muito simpáticos conosco!!! (tirando os garçons, que no ignoram, nos deixam esperando com fome e sede…hahahaha)
Já dá pra se virar com o espanhol, mas só com o espanhol! Quando chilenos conversam entre si falando em chileno – falando muito rápido e cheio de gírias – fico perdidinha e não entendo quase palavra nenhuma! hahahaha

Acho que tá bom, né?! Já tá gigante e já contei váriaaasss coisas! (aliás, me dei conta de que isso aqui vai ser tb um diário, pra relembrarmos estas histórias depois!)

Obrigada pela paciência! Hahahhahaha

Beijos a todos!










Começando…

Assim como começa minha nova vida aqui em Santiago, começo este blog:
Ainda um pouco tímido, com cara de estrangeiro diante de todos os outros que já estão por aqui pela internet, sem saber muito falar a linguagem do povo daqui (sou velha e antiquada, lembram?rs), mas tentando se comunicar…
E, principalmente, prometendo um monte de histórias e experiências novas!


Um dado importante: este blog não tem o objetivo de ser reflexivo, filosófico, literário, tão pouco interessante. Ele passa a existir agora apenas para que todos aqueles que estiverem interessados possam acompanhar mais detalhadamente essa nova vida de novidades sempre.
Como diz o título, escrevo aos queridos, curiosos e pacientes. Se este é o seu caso, então: seja muito bem vindo!!!


(ps.: comentários são sempre desejados, mas como se trata de um começo, sugestões são necessárias! Sobre tudo: assuntos, cor/tamanho/modelo da fonte, etc.)


Besitos Chilenos