“Que é pra me dar coragem”

Maní me ensinou a ser mãe.
Me ensinou a ter filha. Me ensinou a educar respeitando as particularidades do outro indivíduo que ela é. Me ensinou que tem coisas que a gente faz com o coração apertado, mas que tem que fazer.
Fez as minhas voltas pra casa sempre mais divertidas e as saídas sempre doloridas.
Me fez ver que casa arrumada é balela, que importante mesmo é casa feliz.
Me fez perder um monte de nojinhos. Me ensinou que quando filho não come é a mãe quem chora.
Me mostrou que meu marido é também um excelente pai, que pode ser firme (às vezes só ele consegue fazer ela comer), que sabe brincar, que sabe educar e que sabe amar muito!
Maní me ensinou o que é o amor entre mãe e filha.
Foi minha adaptação no Chile; me resgatou pra que eu me mantivesse eu mesma nessas terras extrangeiras.
Me ensinou a olhar profundamente no olho de outro alguém e deixar sair tudo que há dentro do meu coração.
Me ensinou a amar sem vergonha e com intensidade.

Maní foi o primeiro pedacinho chileno do meu coração!

O primeiro de muitos, porque o Chile não parou nunca de me conquistar!

A paixão pela Cordilheira logo virou amor e muitos outros amores surgiram depois disso…

O Chile foi o lugar onde nossa recém formada família floresceu – chegamos cheios frescor e curiosidade e fomos logo fisgados!

Foi onde cheguei cheia de inocência e sonhos, onde quebrei um pouco a cara e aprendi a reconstruir… foi também onde vi sonhos se tornarem melhores na realidade.

O Chile foi o primeiro lugar em que o Lucas era tudo o que eu tinha (antes de ganhar os amigos e o resto da família) e onde nossa relação se fortaleceu e fincou bases sólidas e profundas.

Foi onde brincamos pela primeira vez de dar nossa cara pra nossa casa. Foi onde vivemos um presente repleto de novidades, onde sentimos saudades do passado e onde fizemos tantos planos pro futuro.

Aliás, o Chile me trouxe o gosto mais profundo da saudade, de um lado ou do outro da Cordilheira. Portanto, o Chile me derreteu e me ensinou a viver de coração dividido.

Lá eu aprendi a conhecer outra cultura, a respeitar as diferenças; a admirar o novo e a reconhecer o comum entre (meus) dois mundos.

No Chile descobri uma outra vida, diferente da que eu vivia e diferente da que eu imaginava que viveria.
Eu fiz amigos-irmãos que levarei pra vida toda!

Foi onde tantas vezes eu me perdi e me reencontrei.
Onde renasci.
Onde pari.
Onde “morri” menina e despertei mulher, depois mãe.

O Chile foi meu Lar com letra maiúscula.

Mudar pro Chile me ensinou o significado de “desapegar”, de “deixar ir” e de amar à distância. Mudar do Chile foi tipo “exame final” nessa matéria.

Do Chile levei os dois melhores presentes que a vida poderia me dar: minha filhas!

E é por isso tudo, e tanta coisa mais, que os dois estarão pra sempre comigo – agora literalmente!!
Gravados na pele, do lado de fora, como já estavam na minha alma!

“Pra me dar coragem pra seguir viagem”

IMG_7083.JPG
“O traçado da Cordilheira como eu via da minha janela terminando no nome da minha amendoizinha!”

IMG_7074.PNG

(mandei a ideia e umas fotos pro Luiz e ele fez a arte e a tatuagem! Clicando no nome você será redirecionado pro facebook dele! )

E um ps. importante:

Apesar de a tatuagem não ser diretamente pra eles, eles também estão nela: Cecília está no colorido – antes dela existir eu não aceitava cores nem na minha casa (nada que fugisse no branco, preto e vermelho), quanto mais pra sempre na minha pele! Pica pau sem dúvida trouxe colorido pra minha vida!
E o Lucas foi quem me deu isso tudo aí em cima, né?! O Chile, a Maní, a Cecília… Tudo fruto da existência dele na minha!
=)

Anúncios

15/11/2011


15/11/2011

No Brasil é “Proclamação da República”, ou melhor, é feriado.
Aqui no Chile é um dia muito especial!!!

Primeiro porque minha pequena linda está de cumpleaños!!!



Minha bebê deixou de ser bebê, completou seu primeiro ano de vida e agora já pode até comer comida de “perros adultos”!



Segundo….bom, o segundo ponto na verdade é uma novidade: compramos um apartamento!!!
A compra já rolou faz mais ou menos um mês, mas sabem como essas coisas são burocraticamente enroladas, né?!
Nesse assunto o “hoje” foi importante por dois motivos: porque finalmente saiu um documento que estava atrasado e atrasando todo o resto do processo; e porque fomos lá fazer a pré-entrega (e a devida vistoria).

O prédio é novinho em folha, por isso a entrega dos apartamentos ainda está começando… fica a três quadras do metrô, numa região super gostosa, cheia de praças e parques em volta.. Nosso apartamento fica no sétimo piso, último do prédio, e já temos garantia de vizinhos super bacanas!!! hehehe

A apresentação formal:


Sejam bem vindos!


Entrando na sala

A sala vista da janela


Vista da sala pra esquerda


Vista da sala pra direita


Cozinha



Lavanderia




Quarto da Maní



Quarto de visitas


Nosso quarto


Vista do quarto






Nosso banheiro





Temos uma certa garantia dessa vista linda, porque o bairro é protegido por leis e não se pode construir mais do que cinco andares nessa parte na nossa frente!
(a droga é que o dia estava com muita poluição e não deu pra ver nas fotos o arraso que é a Cordilheira vista dessas janelas…)

Fomos fazer a vistoria acompanhados de uma arquiteta (filha de uma mulher que trabalha com o Lucas) e foi bem bom, porque ela percebeu vários detalhes que deixaríamos passar…
Agora estamos tentando apressar as coisas, porque queremos nos mudar até o final deste mês! Dedos cruzados!!!

Não vejo a hora de mudar! Gosto muito da nossa casa atual, mas essa obra gigante está terrível! Falta pouco pra chegarem no décimo piso e aí vai ser pior, porque os caras vão estar literalmente trabalhando dentro de casa! Argh!!!




Fala se não é um dia digno de comemoração?!?! hehehe


Beijos a todos!


"Tenho por princípios nunca fechar portas"

Tivemos os últimos dez dias com visitas em casa; já estava com saudades da casa cheia!


Na segunda feira chegou a primeira visita, super inusitada! 
Minha prima, Luciana e seu namorado, Breno estavam de férias tiradas e tudo pronto pra ir pra NY, mas o furacão, ou quase furacão, que passou por lá no outro fim de semana atrapalhou tudo, estragou todos os planos deles, a companhia aérea não colaborou… Enfim, aquele estresse que ninguém merece passar!
Na irritação disso tudo e com toda a vontade de ir viajar na férias que só esses dois – pique invejável! – resolveram, literalmente um dia antes – vir passar uns dias aqui em Santiago conosco, até que os vôos pra NY estivessem normalizados!

Eu sou uma pessoa que gosta de rotina, planos, organização, mas não posso negar que algumas mudanças repentinas trazem resultados muito bons!
Eles vieram, ficaram 4 dias aqui com a gente, foram esquiar (a Lu adorou, o Breno odiou…rs), passearam por Santiago, conheceram e curtiram a Maní (e queriam levar ela embora com eles. hahaha), comeram bem e aproveitaram super esses dias que o furacão teria tirado das férias deles!
Esses sim são espertos!
Foi inesperado e rápido, mas super gostoso!!! Agora estão lá pras bandas de cima, curtindo a terra gringa!

E no sábado passado veio o Fernando que – olha que fofo – escolheu passar o aniversário dele aqui com a gente!!! Claaaaro que ele ganhou bolo e “cumpleaños feliz”, né?! hehehe




Só ficou faltando a velinha, mas o isqueiro deu conta!
(modéstia à parte, o bolo ficou delicioso! hehehe)

Esse é outro animado: foi esquiar com o Lucas no primeiro dia aqui, ficou todo quebrado, mas no dia seguinte resolveu fazer um tour caminhando: foram 20 estações de metrô a pé!!!
O mais engraçado era ele andando pela casa no final do dia, todo encurvado e reclamando de dor a cada movimento! hahahaha

Como eu costumo dizer, visita é bom, mas de gente querida é melhor ainda!!!

Fernando foi embora hoje e agora estamos esperando as próximas reservas… 

Quem é o próximo???   

Beijos




"Pense que eu cheguei de leve, machuquei você de leve e me retirei com pés de lã"

Acabam de sair daqui as últimas visitas da temporada (agora a próxima tá agendada só pra setembro). Foi mais de um mês com casa lotada todos os dias. Mais de um mês de gente dando atenção pra Maní quase o tempo todo. Mais de um mês de bons dias e boas noites multiplicados. De passeios turísticos – repetidos ou não – com pessoas diferentes. De mesa cheia e louça sendo usada até esgotar. De barulhos na minha casa que não sejam da construção ao lado. De coisas diferentes na geladeira e no armário. De dicas, instruções, troca de informações. De mais ou menos atenção que pude dar pros que estavam aqui – variando com as tarefas da faculdade e com meu bom (ou mau) humor. Mais de um mês da casa aquecida mais por calor humano que pela “calefação central por louça radiante”. 


Depois de passar uma semana no Brasil muitos me perguntaram se foi difícil voltar ou “ir embora de novo”. Não, não foi! A semana brazuca foi uma delícia, cheia de reencontros gostosos e gordos, mas foi também cansativa, correria pra todo lado, sem ter nossa casa pra voltar, nosso cantinho pra descansar. 
Foi uma delícia ir, mas foi bom também voltar. Foi bom e foi fácil! (não que eu não tenha chorado um pouquinho no aeroporto e nas despedidas…rs)


O que eu venho tendo cada vez mais certeza é que muito mais difícil do que voltar pra casa é deixar os que vêm visitar voltarem pras suas casas.
Por mais que a casa fique bagunçada, por mais que fiquemos sem “intimidade (como ter que colocar roupa e não pijama depois do banho, por exemplo), não importa, as visitas são muito boas! 
Não só porque enchem o ambiente, mas porque são todos muito importantes e queridos os que passam (passaram, passarão, passarinho) por aqui!
E fica sempre um gostinho de quero mais.


E a casa fica vazia e enorme. E as coisas param nos seus lugares. E as luzes param apagadas quando devem estar. E a Maní fica mais sozinha. E eu fico sempre chorando quando alguém sai.


É difícil me despedir. Difícil não é ficar, mas sim deixar-los ir.


Mas… quer saber?


Que venham os próximos!!!

Senevasseaquicêusavaski?

Imagino que quase todo mundo saiba que eu sou mega descoordenada. Muitos já me viraram levar (ou quase levar) milhares de tombos por aí. As manchas roxas das caídas, topadas e enroscos não são difíceis de encontrar em diversas partes do meu corpo. O que talvez nem todos saibam é que eu não sei andar de bicicleta.
Pois bem, processem todas essas informações antes de seguir lendo…


Pronto? Então vamos…


Neste mês de julho o Hotel MaLuGa está praticamente com lotação máxima, não tem quase nenhum dia sem visitas por aqui. 
No sábado o Lucas foi pra Argentina, passar uma semana tendo cursos pra virar um futuro diretivo do banco (rs), mas fiquei muito bem acompanhada pelo irmãozinho Guto, seu amigo João, a primoca Nathalia e o parceirão Lucas (chamarei de Lucão pra não confundir…rs). 
Aproveitando a reunião gostosa, ontem fomos esquiar!


O Lucão e o João já tinham esquiado antes, então tinham alguma experiência na arte. Além disso, o Guto e o João foram na quinta feira pro Colorado e estavam bastante treinados.
Eu e a Nathalia que nunca tínhamos esquiado na vida fizemos a aula “para principiantes” (acompanhadas pelo Lucão) e ela, apesar de ter apanhado um pouco no começo, foi insistente e ousada e acabou se saindo super bem nas montanhas branquinhas!


Já eu….bom, eu comecei a me machucar quando chegamos ao Colorado e descemos da van: derrubei a bota do esqui no meu pé e doeu pra caramba! Um pouquinho depois tropecei feio em uma escada (não, ainda não tinha calçado a tal bota). 
Quando fui subir outra escada, agora carregando o esquipamento (botas super pesadas, esqui e bastões) precisei da ajuda de duas pessoas, porque enroscava os bastões nos degraus, quando ia soltá-los derrubava os esquis e quando abaixava pra pegá-los enroscava tudo na minha calça, e assim sucessivamente.


Depois veio a novela dos quinze minutos pra conseguir calçar cada bota (mas essa dificuldade é normal em todos os principiantes…rs), a caminhada patética com as botas nos pés e enfim, o começo da aula.

Fiquei à vontade quando vi que todo mundo ali tava tão atrapalhado quanto eu e fiquei aliviada quando não fui a primeira a cair parada – apesar dos diversos desequilibrios que já tinham acontecido!
Por algum motivo eu virei a primeira da fila e tinha que fazer tudo que o professor mandava antes de todos os outros, com todo mundo olhando. Vergonha pouca!
Eu não estava me saindo bem, mas não estava me saindo mal também.
Até o profesor mandar a gente se jogar no chão pra aprender a levantar de um tombo… Sério, é humanamente impossível levantar do chão com aquela bota e os esquis! Impossível! Pelo menos pra mim…
Foi ridículo! O professor vinha colocar minha mão onde tinha que ficar pra eu levantar, e a minha mão não fica de jeito nenhum no lugar certo. Meu pé ficava tentando fazer uma dobra numa luta brava com a bota e eu simplesmente não levantava!
Depois o professor ensinou um outro jeito alternativo e assim, depois de mais um pouco de ridículo eu saí do chão…


Aí chegou a hora aprender a fazer curvas. Pra esquerda, ok! Pra direita…nããããooo! (detalhe: quando eu estava quase aprendendo a andar de bicicletas, as curvas eram minhas maiores inimigas!)


Enfim, a aula durou quase 1h30. 1h30 de MUITO calor – quem inventou que tem que se encher de roupa pra fazer aquilo? Calor absurdo!
Esforço absurdo, cansaço absurdo, dor nas pernas e no pé, não me agüentava mais em pé, literalmente chegou uma hora em que me apoiava nos bastões e soltava todo meu peso neles, porque minhas pernas já tinham pedido água há muito tempo!


Bom, depois da aula fomos almoçar e depois de todos descansarem um pouco, foram subir as montanhas e descer nos esquis. Todos menos eu!
Eu estava podre. Cansada. Acho que o esforço da torta aqui foi mais do que a fraca aqui agüentava por um dia…rs
E, confesso, o fato de poder voltar lá pra cima depois, especialmente na companhia do maridão, autorizou minha preguiça a se manifestar…
Preferi passar o resto da tarde tirando fotos, brincando com a neve (ah, a neve!!!) e descansando meus pésinhos!


Chegando em casa fomos descobrir os estragos: tenho manchas roxas que não faço idéia de como, quando ou onde fiz. Meu tornozelo continua inchado, quase 24h depois! Quase todos os músculos ainda doem. 


Acho que no final eu não cheguei na parte do esqui que é divertida, porque enquanto os outros estavam super curtindo o momento eu ficava me perguntando: “quem foi que teve essa idéia, mesmo???”


Mas isso não quer dizer que eu desisti de vez! Em não muito tempo pretendo subir de novo, e espero desenvolver uma relação mais amigável com o novo “esporte”. Não que eu costume me dar bem com esportes…mas se você está na neve, é pra se molhar, não é!?!


Agora algumas fotinhos pra ilustrar:





Beijos gelados a todos!

E você, quando vem?

Lhes apresento o Hotel MaLuGa, lugar de ser feliz em Santiago!


Aqui você pode ficar tranquilo e só desfrutar tudo que essa cidade incrível tem de bom!





Oferecemos aos nossos hóspedes confortáveis acomodações em quartos dobles com camas de solteiro ou casal. 



Contamos ainda com um Kit-Turista montado com todo carinho para melhorar a estadia de nossos visitantes e incrementado pelos queridos que já passaram por aqui!
Nele constam:


– Guias de tours e passeios pra fazer na cidade e nos arredores dela.





– Celular pré-pago local pra facilitar a comunicação com o que (ou quem) quer que seja por aqui

– Chave da casa com chaveiro típico da Ilha de Páscoa – Presente do Celso Bal


– Porta moedas (presente da Marina Malta) pra facilitar a vida de todos com os pesos trocados



– Cartões Bip da Transantiago pra aproveitar o ótimo transporte público


– Caderneta de anotações onde os hóspedes podem contar sobre sua estadia e deixar dicas e opiniões para os próximos que vierem (presente da Marina)



Outro diferencial de nosso hotel é o Rock Band, pra entreter e divertir as reuniões de amigos na recepção.







De fundamental importância para o sucesso de nosso trabalho é a Maní, uma cachorra de companhia que estará sempre disposta a te dar carinho e ajudar com a saudade de casa!



Isso sem falar nos anfitriões mais bacanas do planeta!





Agora….você que está aí no computador…o que falta pra programar sua vinda a Santiago???


Nós estamos te esperando!!!


Vem!!!!!!


(favor agendar as datas de estadia por email)