“Disfarçando as evidências”

Continuando a linha de sincericídeo à qual este blog foi introduzido aqui, hoje venho publicar um dos textos mais difíceis que já escrevi.

Um texto que está entalado faz um uns bons meses. Extremamente honesto, doído, que tem boas chances de ser visto com maus olhos por algumas pessoas – e eu lido mal demais com esse tipo de coisa, gente, morro de medo do que os outros vão pensar, sou franga, odeio discussões e etc ..rs

Então peço algumas coisas: que tenham paciência pro textão, que leiam com o coração (ou não leiam) e que sejam delicados nas “avaliações” e possíveis comentários …
Dito isso, vamos pro lado feio da força (rs):




Eu sempre ouvia e lia as mães de dois ou mais filhos falando sobre como a maior dificuldade do segundo pós parto era a saudade do mais velho e a culpa por não poder dar a ele a atenção que gostaria de dar, portanto era isso que eu tava esperando que acontecesse por aqui…Mas não foi o que aconteceu.
Quando o Dante nasceu o Lucas não estava trabalhando e minha mãe veio passar umas semanas com a gente. O plano era que os dois ficassem focados  na Cecília, pra que ela fosse super acolhida e eu pudesse me dedicar bastante ao bebê.

E a inocente aqui super acreditou que seria simples assim, que Cecília ia querer aproveitar muito a vó e o pai e ia esquecer que tinha mãe. Mas, óbvio, não foi.
Nos dois primeiros dias até que ok… mas logo acabou a graça da novidade e ela passou a exigir e precisar de mim normalmente, como sempre tinha sido até então.

Acontece que eu estava vivendo naquela bolha linda e maluca com meu recém nascido e eu não queria sair dela! Queria ficar ali, aninhada com ele e não precisar fazer mais nada da vida.

Só que as demandas da Cecília me faziam constantemente ter que sair da bolha. E quase toda vez que isso acontecia eu sentia raiva.

R-a-i-v-a !

Da minha filha de menos de 2 anos e meio que só queria a mãe dela.
Pah! Toma essa!
A raiva trazia também, claro, culpa. E vergonha.

Eu me sentia um monstro!

Nunca ninguém tinha me contado que eu poderia sentir isso! Eu me perguntava: “porque ninguém me avisou de um negócio tão forte assim?? Será que só eu sinto??Cadê a saudade de que todo mundo falava?? Cadê a vontade de ficar lá com a mais velha??”

Não tinha! Eu só queria meu bebezinho! Eu só queria ser deixada em paz com ele.

Era, claro, uma coisa nada racional. Tô falando aqui de um sentimento profundo, de um negócio meio de bicho mesmo, instinto de preservar o mais indefeso, sei lá…

Racionalmente eu sabia que a Cecília precisava de mim, então eu saía da tal bolha para atende-la, mas a raiva ia comigo, a empatia não chegava e eu me sentia um lixo.

Acho que o Dante já tinha mais de um mês quando, conversando com uma amiga, descobri que eu não era a única mãe a sentir isso. E, putz, que alívio!!!

Essa descoberta me fez poder aceitar tal sentimento como ele vinha, até pra poder processa-lo e lidar com ele de outra forma. Depois fui conseguindo falar um pouco sobre isso com outras pessoas e assim fui descobrindo que é um sentimento meio comum, mas muito tabu – provavelmente por isso ninguém tinha me avisado, né?!
Tão tabu que eu fiquei meses com esse texto entalado, precisando sair – mas sem encontrar coragem pra soltar …

Porém eu tenho certeza que o “ninguém me avisou sobre isso” foi um fator de muito peso em tudo o que eu vivi. Então sinto que agora eu preciso compartilhar. Preciso avisar (a quem interessar possa..rs) que isso pode acontecer e que sentir-se assim não te transforma em um monstro!

Afinal, sentir “tá liberado”. É no agir que a gente deve se cobrar, né?!
Aos poucos as coisas foram se ajeitando por aqui, eu fui me reapaixonando e me reconectando com a Cecília… eu conseguia sair da bolha ou conseguia encontrar espaço na bolha pra ela também!

Não que a gente viva agora num mar de rosas diário…rs Como diz a querida Daiana, puerpério é mar de lama – e o meu ainda não acabou… E maternidade é um negócio difícil à beça…

Mas estou aqui, diariamente buscando o equilíbrio nessa nova dinâmica de familia maior. Alguns dias encontro mais, outro menos. O importante é saber que há espaço pra todo mundo – e digo “espaço”, porque do amor pra todos eu sempre soube e nunca duvidei! 😉

 

Anúncios

8 pensamentos sobre ““Disfarçando as evidências”

  1. Oi, Gabi!! Então, que bom que você escreveu isso. Eu nem pari a segundinha ainda e já to um pouco com uma tremenda falta de paciência com a Liana. Ela é um docinho, super carinhosa, mas não gosta de dormir e isso me dá nos nervos! Antes de estar super grávida eu tinha paciência e tals, mas agora simplesmente não dá mais. Então colocar pra domir que antes era praticamente uma tarefa só minha, agora é do marido. Eu participo o início da rotina de ir pra cama, mas quem segura o rojão por duas horas seguidas tentando fazer Liana dormir no quarto dela é ele. Tenho medo que essa minha impaciência só piore depois da bebéia chegar…
    E não se sinta culpada! Isso é normal sim! A gente é mãe, não somos um ser perfeito tipo Deus.

    Beijos! E força na peruca!
    Rita

    Curtir

    • Nossa, Rita, tb tive essa perda de paciência no final da gravidez… fora que a Cecília tb foi ficando mais difícil, aí juntou tudo..rs
      Aquí tb fizemos essa troca da companhia pra dormir já pensando na rotina pós bebê e foi bem importante ter trocado antes, viu?!
      Pütz! 2 horas pra dormir?? 😱 tem que ter muita paciência MESMO!!

      Pois é.. pior que a culpa é tão humana (e maternal) quantas as falhas, né?! Às vezes é duro conseguir se livrar dela…rs

      Obrigada pela força!!

      Beijos em vcs e na barriga!

      Curtir

  2. Gabi, existe doido pra tudo nesse vasto mundão que é a internet, mas julgá-la por escrever um texto tão sincero, seria no mínimo, uma insensibilidade sem tamanho. Que bom que você conseguiu nomear os seus sentimentos, que bom que você conseguiu separar o que seu do que é da Cecília, e agora também do Dante.
    Quando uma família recebe uma pessoinha existe uma fase de ajuste, fase essa super importante para todos. E que passará também.
    Não se sinta culpada, querida. Embora falar seja mais fácil, eu sei. Assim como as reinvindicações da Cecícilia sejam justas (por mais que ela seja a criança da situação) as suas também o são. Quando a gente legitima o sentir, a gente tem consciência no agir. Você está no caminho certo, gata! Beijos

    Curtir

    • Que lindo isso tudo, Gabi! É isso mesmo!! Precisamos legitimar pra poder lidar com a coisa, né?!
      E fazer essas separações em pleno puerpério é bem difícil – tem mudanças hormonais, tem fusão com bebê, etc etc.. – mas é mesmo fundamental!

      Os ajustes vão se dando devagarzinho (mais devagarzinho do que eu gostaria…rs), mas já dá pra notar mesmo que em breve será uma fase passada tb! Ufa!!
      Obrigada pelo carinho de sempre!!
      Beijão

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s