"obscuro-escuro-claro"

Sentir saudades é um privilégio doído.

Posso sentir uma vontade nostálgica de algumas coisas menores, mas saudade mesmo, só daquilo que amo ou amei.

Porque saudade é diferente de falta. (das coisas lindas da língua portuguesa!)

Saudade é necessidade, é desespero, é absurdo… É irracional.

É amiga do amor em sua forma mais pura, de maneira que nela não há espaço pros vestígios de problemas ou pros eventuais defeitos passados.

Saudade nasce num cantinho escondido e, como erva daninha, vai tomando todo o espaço.

É daninha porque faz doer.

Parece egoísta porque te faz querer sair correndo, largar tudo e resolver a tal dor.

Mas, no fundo, é o mais altruísta dos sentimentos: quanto mais a saudade dói, mais te provoca pra que você a mate!

Porque o que a saudade quer de verdade é deixar de existir… é poder voltar quietinha pro seu canto escuro, desafogar aquele coração e deixar que o calor do amor, só ele, seque a inundação e refloresça de belezas o terreno baldio que outrora era dela.


A saudade insiste em doer a distância pra que você não esqueça nunca da vontade de voltar. Pra que a ida seja sempre possível. E pra que a volta seja sempre, e cada vez mais, doce!

Anúncios

5 pensamentos sobre “"obscuro-escuro-claro"

  1. Pingback: “Nessa data querida” | Aos queridos, curiosos e pacientes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s