"Até o rei fez uma careta!"

Nesse “fin de semana largo” fomos com dois amigos – Duilio e Sergio –  até La Serena, uma praia um pouco pro norte de Santiago.

Encontrou no mapa? rs




Fomos pra lá por recomendação de vários chilenos, que nos diziam “vocês tem que ir pra La Serena, ver o que é uma boa praia no Chile!” e por uma boa promoção da LAN…rs

40 minutos de vôo (todo aquele transtorno de aeroporto e viagem pra tão pouco tempo no avião! rs) na quinta feira a noite e lá estávamos! Num frio da p∞£¢¶!!! hahaha
Bom, a praia é realmente mais bonita que as que estão aqui pertinho… A areia mais branquinha, mais plana, o mar mais azul… bastante tentadora!
Mas com o frio que estava, nem pisamos na areia, né?! rs

O fim de semana acabou sendo gostoso: comemos muito, dormimos muito, passeamos um pouco, rimos bastante… (claro que isso tudo poderíamos ter feito em qualquer outro lugar, rs, mas foi bom mudar de ares!)

Mas o que eu quero mesmo contar aqui é sobre um episódio que aconteceu na sexta a noite!
De novo, por recomendação dos amigos, tínhamos deixado reservado para a sexta a noite uma visita ao Observatório Mamalluca. Uma hora de carro, subir uma montanha, assistir uma palestra e observar estrelas…parecia promissor! 

Acabou sendo tudo SUPER simples..apresentação com imagens do google, um telescópio pequenininho em que todos tinham que se revezar pra ver alguma coisa…
Os meninos estavam achando tudo um pé no saco, ou, em bom chileno, estavam achando aquilo “una wea muy fome!”.
Eu tava me divertindo, achando tudo muito legal e impressionante (hahaha..sou muito fácil) e fiquei completamente encantada com a imagem da lua no telescópio!!!! Completamente!!! 




Aí veio a melhor parte do feriado todo!
O guia estava explicando sobre a lua, contando sobre o “dark side of the moon”, sua crateras e etc, até que alguém lhe pergunta quantas vezes o homem já esteve na lua. Quando o guia respirou fundo e disse “veja bem”, me preparei pra ouvir aquelas clássicas teorias da conspiração sobre a simulação da tal viagem à lua em 1969…
Mas foi muito pior!!! hahaha

Ele nos explicou a teoria conhecida e depois nos confessou o que ele realmente acha que aconteceu:
Sua teoria é que o homem foi mais de uma vez à lua (porque já foram os americanos e os russos), mas com missões diferentes das que eles clamam… Na verdade as viagens à lua serviriam para encontros misteriosos, justamente nesse lado obscuro da lua, entre os homens e seres de outros planetas. Nesses encontros os homens levariam DNA humano para pesquisas interplanetárias e receberiam novas tecnologias super inovadas – como foi o caso dos Sistemas Integrados e dos Micro-Chips!!!!
Ele acredita que a troca foi ainda mais rica, com mais tecnologia top, mas como seriam novidades ainda muito avançadas, os cientistas responsáveis por essas trocas estariam guardando muito do que foi recebido, para que a cada 25 anos se divulgue uma parte dela, assim a humanidade iria aos poucos lidando com o super desenvolvimento!

As pessoas ficaram super interessadas! Mesmo!!! Começaram a fazer várias perguntas e comentários, do tipo “como eram esses seres?”, “o que mais eles deram?”, “por que não deram mais?”, “porque somos muito torpes pra receber isso, imagina o estrago que faríamos com as coisas que eles sabem?!”, “e como foi?”, “você sabe mais detalhes?”… assim por diante!

Na hora eu virei pro Lucas e disse (falando sério) “espera…acho que me distrai ou não ouvi alguma parte…porque isso que eu tô entendendo não tá fazendo sentido… que que ele tá falando??”… Quando o Lucas confirmou que eu tinha entendido certo, fomos contar pro Duilio e pro Sergio, que tinham ido até o carro e aí, juro, nós 4 tivemos um ataque vergonhoso de riso!!! Vergonha alheia ao nível máximo!!!
Pelas coisas que o guia dizia, pelas perguntas que as pessoas faziam, pela situação em que estávamos..
Começamos a imaginar a cena e rir muito… os americanos trocando emails pra combinar com os ETs de se encontrar do outro lado da lua, a preocupação deles de estar no lado escuro, porque afinal, imagina se alguém tá espiando o lado claro e descobre tudo! A troca sem gravidade, o interesse imenso dos ETs no nosso DNA, a ponto de trocar isso por tecnologias tão impressionantes que de fato, nenhum ser humanos seria capaz de criar…(microchip e sistema integrado, lembrem-se! rs)
Enfim, HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!!!!
Rimos muito dessa história durante todo o resto do feriado! De chorar!

Sério, acredite no que você quiser, mas se você é um guia de um tour que deveria servir pra ensinar astronomia aos leigos…no mínimo tem que tomar um cuidado com o que sai falando por aí… Não?! rs




Bom, tem tanta frase dessa música que poderia ser o título desse post que os deixo com ela inteira!

“Brigando na Lua”
Premeditando o Breque


Existem fatos que acontecem por aí
E a gente até nem desconfia
Coisinhas da teosofia
Estava eu andando numa rua deserta
Sem população
Tipo das de televisão
De repente no céu vi um fulgor clarante
A resplandecer
Foi quando comecei a crer
Que estava sonhando
Que aquilo era um pesadelo
Nada estava se passando, perdão?

Então na minha frente apareceu
Uma coisa verde, um tanto louca
Tinha três olhos, duas bocas
Disse assim para mim entrar
Na sua nave intergalática
Pra fazer uma turnê lunática
Me convenceu ao mostrar
Sua pistola de raio lazer
E apontando pro meu blazer
Reforçou o convite
Me mostrando um cavaquinho
Com pedal phase
Inovação de japonês
E ao chegar na lua
Recebeu-me o presidente
E sua comititiva
Falando sua língua nativa

Num entendi nada
Porque aqui na Terra não tem curso de lunês
É só alemão, francês, inglês
Tentei falar outros idiomas
Sânscrito, esperanto, bizantino
Latim, hebraico, nordestino
Me senti acoxambrado
Apelei pra mímica
Que é o idioma dos calados

Fiz todos os sinais que aprendi
Na longa estrada da minha vida
Lembrei da minha infância querida
Mas depois de improvisar um positivo
Aí que coisa ficou preta
Até o rei fez uma careta
É que na lua este sinal significa
Falta de hombridade, ih barbaridade
Fiquei apavorado ao ver
Naquelas verdes faces o ar de inimizade
Aí que eu briguei sem gravidade

Ponta-pé, soco no olho e cascudão
Tudo em câmera lenta
Tem pouca gente que agüenta
Saltei de banda, chamei um táxi
E com sorriso varonil
Disse “eu quero ir pro meu Brasil”
Desci no Ipiranga, às margens plácidas
E como ainda era dia
Contei a história pra minha tia
Que mais do que correndo
E me achando louco
Me mandou pra delegacia

Qualé o ploblema com o cidadão aí ô meu?
Ô Denílson, leva o rapaz aqui pra conhecer a sala de

massagem 






Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s