"pega esse avião"

Existe uma grande diferença entre uma viagem a passeio pro exterior, ir fazer um curso fora, ficar um tempo fora fazendo intercâmbio e morar em outro país.
Além do óbvio, o tempo, outras coisas mudam. A maneira como você vê o lugar, muda; a maneira como você se relaciona com as pessoas e a cultura desse lugar, muda; e o mesmo acontece no caminho contrário, ou seja, em como ficam as coisas entre você e seu país de origem.
Quando você está a passeio tem (no sentido de deve) que aproveitar todo o tempo útil pra ver e fazer tudo de “melhor” que o lugar oferece, bem turistão, achando tudo diferente e, provavelmente, o máximo!

Se você vai pra pra fazer um curso curto, ou a trabalho, é provável que não tenha muito tempo de fazer turismo e acabe lidando com o dia a dia desse lugar, conheça seu trânsito, a vida e a visão corporativa que sua população tem…e meio que vai achar tudo normal, comum…

Se a viagem é pra um intercâmbio mais longo, acho eu, acaba misturando as situações: quer fazer muito turismo, mas sem o desespero, porque apesar de ter um tempo definido, não tem pressa, pode fazer quando quiser, contanto que seja antes do tempo X. Você experimento o novo e o ordinário do lugar, sente saudades “de casa”, mas sabe que o “agora” é pra aproveitar o novo e que o “casa” é pra daqui a pouco.

Mas tenho a sensação de que ir morar fora, com esse “peso do definitivo”, muda tudo!
Não dá pra sentir saudade “de casa” porque sua casa agora é ali, de forma que a saudade fica mais pesada, com gosto de “deixei pra trás”.
Turismo não é prioridade porque você tá muito ocupado com a vida e porque tem qualquer hora que quiser pra fazer (e na verdade tem grandes chances de acabar não fazendo, como acontece com a maioria em suas cidades natais).
O dia a dia do lugar e sua nova rotina são, ao mesmo tempo, normais e muito diferentes!
Você passa por momentos saudosistas – em que daria tudo por um decente e maravilhoso chuveiro “normal”- e por momentos de “brasileirismo”, em que tudo no mundo parece ser melhor – e mais barato – do que no brasil.

Antes de vir pro Chile um dos nossos objetivos era não ter aqui vida de estrangeiros, mas sim de chilenos mesmo; tentar ver e experimentar as coisas sob o ponto de vistas dos daqui… Em muitos pontos acho que nos saímos bem nisso (o que é super enriquecedor), mas em outros acho que não dá muito pra “se misturar” de verdade. (Percebo muito isso nas conversas com minha amiga que está noiva de um chileno e convive diariamente com ele e sua família. Ela sim tem experiências de (quase) puros chilenismos.) Nós não conseguirmos deixar de ser “brasileiros no Chile”, e hoje já nem acho que essa seja a idéia.

E tem mais uma diferença importante: nós saímos do Brasil com o peso do definitivo, mas não foi assim que chegamos aqui, porque uma hora nós vamos embora, vamos trocar de novo o “lá em casa” e ter mais um lugar com sua lista de saudades pra deixar pra trás e todo um “mundo novo” pra descobrir e chamar de nosso! rs
Frio na barriga? Super!

E por mais que uma hora a gente acabe montando definitivo em um lugar, por enquanto é muito legal pensar que logo estaremos começando de novo, montando casa, escolhendo novo bairro, novo piso, nova vista, novo sofá…
Esse “nomadismo” tem um lado divertido e um lado doído (qualquer dia eu escrevo sobre ter a saudade o tempo todo no pé), mas no final, acho que é uma vida de crescimentos infinitos…

ps.: acho que viciei nessa brincadeira e criei um blog novo. Vai lá dar uma olhada: http://www.amarumcaoe.blogspot.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s